Preso na 2ª fase da Carne Fraca vira réu

Roger Pereira


Por Thaissa Martiniuk / BandNews FM Curitiba

O juiz Marcos Josegrei, da 14ª Vara Federal de Curitiba, aceitou denúncia da procuradoria da República contra o ex-superintendente do Ministério da Agricultura de Goiás, Francisco Carlos de Assis, por organização criminosa. Ele foi preso em maio deste ano durante a 2ª fase da operação Carne Fraca que investiga irregularidades na fiscalização de frigoríficos. De acordo com o Ministério Público Federal, Francisco Carlos de Assis foi flagrado em interceptações telefônicas afirmando que rasgou documentos e deletou mensagens na tentativa de destruir provas relativas à operação.

Francisco Carlos de Assis já havia sido conduzido coercitivamente na primeira fase da operação, em março. Na ocasião, o chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal em Goiás, o médico veterinário Dinis Lourenço da Silva, foi preso pela PF, além de outros servidores no Estado Goiano que foram conduzidos coercitivamente. De acordo com as investigações, o esquema em Goiás era chefiado por Dinis, que foi flagrado em escutas telefônicas negociando a manutenção de um frigorífico da BRF Brasil Foods em Mineiros, no sudoeste de Goiás, que tinha indicação de suspensão das atividades.

A 2ª fase da Carne Fraca foi batizada de “Operação Antídoto”. O nome da fase é uma referência ao objetivo de fazer cessar a ação criminosa do investigado e preservar eventuais novas provas. Segundo a Polícia Federal, o ex-superintendente é réu por ter participado de esquema de corrupção entre a BRF e Dinis Lourenço da Silva para impedir a interdição do funcionamento da empresa, em virtude de fiscalização.

Previous ArticleNext Article
Repórter do Paraná Portal
[post_explorer post_id="440786" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]