Prévia da inflação tem alta de 0,78% em dezembro e fecha ano em 10,42%

Folhapress

inflação, ipca, banco central, 2019, boletim focus, focus

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo 15), considerado uma prévia da inflação oficial, registrou alta de 0,78% em dezembro, após ficar em 1,17% em novembro.

O IPCA-15 fechou o ano de 2021 em 10,42%, maior acumulado no ano (em dezembro) registrado desde 2015 (10,71%). Em dezembro de 2020, a taxa registrada foi de 1,06%. Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (23).

A meta do Banco Central para a inflação neste ano é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, ou seja, podendo variar entre 2,25% e 5,25%. Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, sete apresentaram alta em dezembro.

O maior impacto (0,5 ponto percentual) e a maior variação (2,31%) vieram mais uma vez do grupo dos transportes, que encerrou o ano com alta acumulada de 21,35%, influenciado principalmente pela alta nos preços dos combustíveis.

A gasolina (3,28%) contribuiu com o maior impacto individual (0,21 ponto percentual) no índice do mês. Além disso, os preços do etanol (4,54%) e do óleo diesel (2,22%) também registram altas, embora menores do que as de novembro (7,08% e 8,23%, respectivamente).

Na sequência do grupo dos transportes, vieram os de artigos de residência (1,19%), vestuário (1,10%), habitação (0,9%), despesas pessoais (0,51%), alimentação e bebidas (0,35%), comunicação (0,15%), educação (0%), e saúde e cuidados pessoais (-0,73%).

No grupo habitação, a maior contribuição veio da energia elétrica (0,96%), resultado próximo ao do mês anterior (0,93%). Desde setembro, está em vigor a bandeira tarifária escassez hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos.

Os preços do gás de botijão subiram pelo 19º mês consecutivo, acumulando, no ano, alta de 38,07%. Segundo o IBGE, a aceleração no grupo de alimentação e bebidas se deve principalmente à alimentação em casa, cuja maior contribuição veio do café moído (9,1%).

Os preços das frutas (4,1%) e das carnes (0,9%) também subiram em dezembro, após terem registrado recuo em novembro. Também houve alta nos preços da cebola (19,4%).

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 13 de novembro a 13 de dezembro de 2021 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 14 de outubro a 12 de novembro de 2021 (base).

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e do município de Goiânia.

A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

Em nota divulgada em seu site, o IBGE informou que o processo de mudança do Datacenter, iniciado na última sexta (17) ainda está em andamento e “impediu a disseminação das seguintes informações do IPCA-15/IPCA-E: acumulado no ano/12 meses para as localidades, pesos dos subitens nos resultados regionais e texto com análise do resultado mensal por localidade”.

“Essas informações serão divulgadas tão logo o Datacenter do IBGE retorne à normalidade”, acrescenta o comunicado.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="813155" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]