Procon orienta consumidores sobre troca de presentes de Natal

Com BandNews FM CuritibaApós o período de compras para o Natal, esta segunda-feira (26) marca o início da temporada ofic..

Fernando Garcel - 26 de dezembro de 2016, 16:52

Com BandNews FM Curitiba

Após o período de compras para o Natal, esta segunda-feira (26) marca o início da temporada oficial da troca de presentes em 2016. A partir de hoje, consumidores procuram as lojas para dar um jeito naquele calçado que ficou pequeno, a roupa que ficou grande demais ou cuja cor não agradou. Mas é preciso ficar atento, já que os estabelecimentos não são obrigados a prestar esse tipo de serviço.

De acordo com a coordenadora do Procon Paraná, Claudia Silvano, isso é regra somente quando o produto apresenta algum tipo de problema ou defeito, e mesmo assim, dependendo do estado de cada item. Ela também fala sobre os direitos a que o consumidor precisa ficar atento para garantir a possibilidade de troca.

"O consumidor tem que ficar ciente que não há obrigatoriedade de troca se o produto não tiver problema. Mesmo se o produtor tiver problema a troca não precisa, necessariamente, acontecer imediatamente. O consumidor tem que levar o produto para assistência técnica, em caso de defeito, e a assistência tem o prazo de até 30 dias para resolver o problema. Caso não seja resolvido aí sim o consumidor tem o direito de pedir a troca do produto ou a devolução da quantia paga", alerta Claudia Silvano.

Quando se trata de uma compra virtual, feita pela internet, o cenário é diferente. "O consumidor tem o direito de se arrepender. Ele pode devolver o produto e ter o dinheiro devolvido também, mas ele tem que exercer esse direito de arrependimento no prazo de sete dias contatos a partir da data de recebimento. Essa regra só é válida para compras feitas fora do estabelecimento comercial, o que engloba as compras feitas pela internet", diz Claudia.

Para trocas de compras físicas, feitas em lojas, é necessário que o consumidor leve o produto com a nota fiscal ou etiqueta de troca e, claro, sem uso.