Prometendo expansão, Luiz Malucelli Neto assume presidência da Compagas

Prometendo expandir a companhia consolidando-a como a terceira mair fornecedora da gás natural do país, Luiz Malucelli N..

Roger Pereira - 07 de maio de 2018, 20:18

Roger Pereira
Roger Pereira

Prometendo expandir a companhia consolidando-a como a terceira mair fornecedora da gás natural do país, Luiz Malucelli Neto foi empossado, nesta segunda-feira, pela governadora Cida Borghetti, como presidente da Companhia Paranaense de Gás (Compagas). “A Compagas está presente em 17 municípios do Paraná e a intenção é, em um curto espaço de tempo, atender um número muito maior de cidades”, disse.

Malucelli passa a ocupar a presidência da Companhia ao lado de Theodoros Panagiotis Marcopolus (diretor técnico-comercial) e Eduardo Buschle (diretor de administração e finanças). A Compagas é responsável, hoje, pela distribuição de mais de 1 milhão de metros cúbicos diários de gás natural para os segmentos industrial, veicular, geração de energia elétrica, comercial e residencial.

Malucelli diz que tem como prioridade levar ao consumidor final um serviço de alta qualidade, com rapidez e agilidade, sempre avançando para atender mais paranaenses com a infraestrutura de rede de distribuição de gás natural. Segundo o diretor-presidente, a meta da Compagas é ampliar o volume distribuído nos segmentos atendidos em 10% e alcançar a extensão total de 827 km de rede de distribuição, além de fomentar o mercado urbano a fim de aumentar a base de clientes, chegando ao final de 2018 com um crescimento também de 10%. “Já existe um planejamento estratégico pronto, vou colocar minhas ideiais também, mas é uma empresa com planejamento, que é capitalizada, tem recursos. O planejamento é plausível e vamos dar andamento nas ações previstas até 2022. Vamos investir mais de R$ 95 milhões até 2022 para ampliar em 54 km a rede de distribuição”, anunciou.

Sem margem para discutir privatização

Malucelli também descartou qualquer debate dentro de sua gestão sobre a privatização da companhia. “Somos uma continuidade do governo Beto Richa, E o governador Beto, assim como a Cida têm o compromisso que nenhuma empresa será privatizada. Então, até o final dessa gestão, essa conversa não existe e os paranaenses podem ficar tranquilos. Não falo só em nome da Compagas. Tenho certeza que na Sanepar e na Copel, também não se pensa nisso”, disse.

Para ele, ainda é fundamental que esses setores estratégicos sigam sob controle do Estado. “É muito importante, até por questão de segurança, é um gás que vem da Bolívia, importante que fique sob o controle estatal. Até que esse país amadureça, que tenhamos uma ordem diferente neste país, aí sim pode-se retomar essa conversa”, opinou.