Renault demite 747 trabalhadores de fábrica no Paraná

Rafael Nascimento e Angelo Sfair


A montadora Renault confirmou nesta terça-feira (21) a demissão de 747 trabalhadores da fábrica instalada em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Além dos desligamentos, a multinacional optou ainda pelo fechamento do terceiro turno de produção do complexo Ayrton Senna.

No início da noite, os funcionários da unidade decidiram em assembleia liderada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) entrar em greve por tempo indeterminado por conta das demissões em massa em meio a pandemia da covid-19.

Na última sexta-feira (17), a Renault apresentou aos trabalhadores uma proposta de plano de demissão voluntária (PDV), que foi reprovada em assembleia. Na oportunidade, o sindicato acordou um prazo de 72h para que a empresa restabelecesse as negociações.

“A empresa foi radical na sua postura e obrigou os trabalhadores a decidir em assembleia o estado de greve. Independente de qualquer coisa, queremos deixar nosso repúdio pela forma e tratativa que a empresa está dando ao povo do Paraná, depois se usufruir de incentivos fiscais e se comprometer em gerar e manter empregos e manter empregos, e está demitindo quase 800 trabalhadores só hoje”, afirmou Sérgio Butka, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba.

Em nota, a Renault do Brasil informou que as demissões estão relacionadas à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e que realizou todos os esforços possíveis para evitar as demissões. No primeiro semestre de 2020, ainda conforme a montadora, as vendas caíram 47% no País.

A empresa alega também que duas propostas foram recusadas pelo sindicato. A primeira, apresentada no início de junho, previa a redução da jornada em 25%. A segunda oferta, que previa a implantação de um PDV (Plano de Demissão Voluntária), foi rejeitada na sexta-feira (17).

Conforme a empresa, a decisão está “alinhada com projeto de redução de custos anunciado pelo Grupo Renault em maio, válido para todo o mundo”.

Vamos permanecer em estado de greve até que a empresa aceite renegociar a readmissão dos trabalhadores, bem como outros encaminhamentos que estavam em negociação, como a data-base e o PLR (Participação nos Lucros e Resultados)”, completou Sérgio Butka.

Assembleia na Renault após demissões da fábrica de São José dos Pinhais. Foto: Divulgação/SMC

RENAULT DEMITE 747 TRABALHADORES NO PARANÁ

De acordo com a Renault do Brasil, considerando o cenário econômico desfavorável relacionado à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a demissão de 747 trabalhadores será acompanhada de um programa de recolocação no mercado de trabalho.

Além das verbas rescisórias previstas em lei, e a indenização prevista na Medida Provisória 936, a Renault se comprometeu a manter os seguintes benefícios:

  • Extensão do vale-mercado integral até outubro de 2020
  • Extensão do plano de saúde (cobertura para titular e dependentes) até dezembro de 2020
  • Programa de orientação para a recolocação no mercado de trabalho.

Covid-19: Com recorde de 58 novas mortes, Paraná tem 56,9 mil casos e 1.396 óbitos

Previous ArticleNext Article