Retorno da cerveja aos estádios pode gerar 600 empregos imediatos

Angelo Sfair - BandNews FM Curitiba e Thaissa Martiniuk - Bandnews FM Curitiba


A decisão do Tribunal de Justiça (TJ-PR) que autoriza novamente a venda de cerveja dentro dos estádios paranaenses pode ajudar a criar 600 empregos diretos de forma imediata. Ontem (20) à noite, por 18 votos a 4, o Órgão Especial do TJ considerou constitucional a lei aprovada em 2017, pela Assembleia Legislativa (Alep), que regulamenta a venda de bebidas alcoólicas dentro das praças esportivas do estado. Desta forma, foi derrubada a liminar que suspendia os efeitos da lei – e consequentemente proibia a venda – desde março do ano passado.

A decisão foi comemorada não só por torcedores, mas também por grupos como Associação das Microvervejarias do Paraná (Procerva-PR) e o Sindicato das Empresas de Gastronomia e Entretenimento Município de Curitiba (Sindiabrapar). Representante de empresários do setor, Fábio Aguayo afirma que não é justo punir todos os torcedores em detrimento de uma minoria:

“A maioria das pessoas que frequentam estádio de futebol no Paraná querem curtir seu lazer e torcer para seu time. Nós, que somos empresários desse setor, vamos fazer nossa parte e contratar gente para atender toda essa demanda. As pessoas acham que as pessoas vão ficar loucas, embriagadas… Não consegue beber tanto no estádio”, diz.

O presidente do Sindiabrabar destaca que a cerveja está presente em todo o mundo esportivo. Ele diz que a cerveja não é culpada pela violência relacionada ao futebol:

“Vamos pegar aqueles que causam transtorno e favorecer aqueles que vão em paz aos estádios. No Brasil não somos diferentes da população mundial”, avalia.

Fábio Aguayo destaca que há mais de 400 pontos de comércio dentro dos estádios e praças esportivas do Paraná. A entidade que ele representa espera a contratação imediata de ao menos 600 funcionários para atender a nova demanda. Ele também aponta que a venda da cerveja e do chope dentro do estádio pode ajudar a combater o comércio ilegal e o consumo excessivo de álcool:

“Vamos favorecer os clubes de futebol, acabar com o comércio clandestino. Muitas pessoas usavam o álcool em excesso antes de entrar no estádio”, completou.

A venda da cerveja e do chope nos estádios estava suspensa desde março de 2018, a pedido do Procurador-Geral de Justiça do Paraná. Na decisão, o órgão especial do TJ afirma que “a comercialização de bebidas no interior dos estádios e arenas desportivas não se mostra inconveniente, mas compatível com o dever do Estado de respeitar a liberdade dos cidadãos de consumir substâncias licitamente produzidas”.

Por 18 votos a 4, o Órgão Especial do TJ-PR entendeu que o comércio de bebidas não representa risco à segurança dos frequentadores dos estádios. Ao Ministério Público (MP-PR) ainda cabe recurso. Os procuradores podem contestar a decisão no Supremo Tribunal Federal.

Previous ArticleNext Article