Turismo brasileiro experimenta retomada após pandemia

A chegada de voos internacionais ao Brasil cresceu mais de 1.700% desde o início da pandemia, de acordo com levantamento da Embratur.

Redação - 22 de julho de 2022, 08:31

Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil
Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil

O setor de turismo no Brasil voltou a receber voos internacionais em grande escala, demonstrando retomada dentro do contexto da pandemia. Em junho de 2022, a malha aérea internacional brasileira registrou aumento superior a 1.700% de voos em relação a abril de 2020, quando começaram as restrições impostas pela Covid-19, de acordo com a Embratur.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (21). Conforme a Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, foram registradas 3.806 chegadas, o equivalente a 1.703,32% a mais de voos em relação a abril de 2020. O acréscimo na conectividade em relação a maio foi de 7,29%, entretanto, na comparação com junho de 2021, o salto foi de 355,36%.

“No mês de junho, continuamos num período de baixa temporada para os turistas, mas, mesmo assim, a oferta de voos e assentos aumentou. A outra boa notícia é que, em julho, mês que tradicionalmente verificamos aumento da movimentação, ainda mais voos internacionais irão operar para o Brasil”, aponta o presidente da Embratur, Silvio Nascimento.

De acordo com pesquisa da Gerência de Inteligência Competitiva e Mercadológica do Turismo (GICMT) da Embratur, o aumento expressivo da conectividade continuará até o início de 2023. Estão previstos 84 novos voos e 47 frequências adicionais até fevereiro do ano que vem. De janeiro a junho de 2022, outros 84 voos já entraram em operação e 36 frequências foram adicionadas.

A empresa aérea GOL começou, em maio, a operar mais voos internacionais de Buenos Aires, Miami e Orlando para Brasília, com quatro frequências semanais. Para novembro, a previsão é de iniciar a rota entre as cidades de Buenos Aires e Natal, além de retomar, até dezembro, 100% dos destinos na Argentina, que havia em 2019.

Já a United Airlines retomou os voos Chicago/São Paulo e Houston/Rio de Janeiro neste primeiro semestre. A Lufthansa também contribuiu para o aumento da oferta de conectividade, com a volta das operações Frankfurt e Munique para o Rio de Janeiro e voos diários de Amsterdan para o Rio de Janeiro. Em outubro, a Eastern Air prevê o incremento de voos de Miami e Nova York para Belo Horizonte.

Mais conectividade

Neste mês, a Latam anunciou a retomada de voos das cidades de Roma e Milão para São Paulo. A princípio, os voos serão com três e quatro frequências semanais respectivamente.

A Delta Air Lines também está ampliando sua operação no Brasil. Atualmente, opera com dez voos semanais para o país – sendo diários São Paulo/Atlanta e três frequências semanais São Paulo/Nova York – e planeja retomar 100% da capacidade ainda este ano. Já em outubro, a empresa norte-americana anunciou que São Paulo terá sua capacidade máxima restabelecida, com a rota Guarulhos/Nova York voltando a ser diária.

Em 2019, antes da pandemia, a Delta operava 21 voos semanais, com roteiros diários São Paulo/Atlanta, São Paulo/Nova York e Rio de Janeiro/Atlanta, além de voos sazonais entre Rio e Nova York.

A low-cost colombiana Viva Air anunciou o início da operação de voos para o Brasil, incialmente por São Paulo. A partir de outubro, a conectividade será de quatro voos semanais entre Medelín e Guarulhos.

A Iberia Líneas Aéreas, da Espanha, também anunciou o retorno da conectividade com o Rio de Janeiro. A partir de outubro, a rota Madri/Rio estará restabelecida, com três frequências semanais.

Tráfego internacional

A malha aérea global também vem crescendo a cada novo mês. De acordo com o último balanço da IATA (International Air Transport Association), o tráfego total de maio de 2022 aumentou 83,1% em relação a maio de 2021. Atualmente, corresponde a 68,7% dos níveis pré-crise pandêmica.

Ranking de chegadas de voos internacionais ao Brasil em junho de 2022

1) Buenos Aires: 810 voos
2) Lisboa: 429 voos
3) Panamá: 303 voos
4) Santiago: 253 voos
5) Bogotá: 176 voos
6) Miami: 146 voos
7) Paris: 124 voos
8) Montevidéu: 107 voos
9) Madri: 103 voos
10) Lima: 94 voos