Eleições 2020: participação de mulheres e negros aumenta, mas abismo ainda é grande

Angelo Sfair

mulheres na política, negros na política, representatividade, diversidade, perfil dos candidatos, mulheres, negros, políticas afirmativas, eleição, eleições, eleições municipais, eleições 2020

A comparação entre os candidatos nas Eleições Municipais de 2020 e 2016 mostra um pequeno avanço na participação de mulheres e negros na disputa por cargos eletivos. Os dados constam no banco de estatísticas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral)

Neste ano, no Paraná, as candidatas do gênero feminino correspondem a 33,6% do total de candidaturas. Quatro anos atrás, o índice era de 31,9%.

Em relação à cor, a prevalência de candidatos brancos recuou de 51,4% para 48%. Somados, pretos e pardos agora totalizam 50%, ante 47,7% em 2016.

Apesar do aumento na diversidade, no Paraná, o abismo ainda é grande. O perfil médio dos candidatos consiste em: homens, brancos, casados, 40 a 44 anos, com Ensino Médio completo.

POLÍTICAS PÚBLICAS INCLUEM MULHERES, NEGROS E INDÍGENAS

A doutora em Ciências da Comunicação Luciana Panke acredita que a participação feminina é propiciada por leis afirmativas. Tanto em 2016 quanto em 2020 o número de candidatas mulheres é muito próximo à cota mínima de 30%, estabelecida pela Lei das Eleições.

“A política ainda é vista como um espaço muito masculinizado. As lideranças em si, não só na política eleitoral, isso também acontece nas empresas, associação, entidades representativas. A política vai refletir o que acontece em outros meios da sociedade”, afirma Panke, que é especialista em política e campanhas eleitorais.

Para ela, a pandemia do coronavírus também foi um fator que dificultou a ascensão das candidaturas femininas, uma vez que as mulheres são sobrecarregadas nos cuidados com a casa e com os filhos. Com o período de isolamento social, a diferença na carga de trabalho doméstico entre homens e mulheres ficou mais evidente, segundo a especialista.

Em entrevista ao Paraná Portal, Luciana Panke defendeu as políticas públicas como forma de moldar a política eleitoral, abrindo espaço para a diversidade e representatividade.

“Se não fossem as políticas afirmativas, a repetição do político branco, rico, homem, acima dos 40 anos, se repetiria ad eternum. Dificilmente veríamos mulheres, negros e indígenas em cargos de poder”.

perfil dos candidatos, gênero, vereador, prefeito, curitiba, paraná, eleições, eleições 2020, eleições municipais
Paraná Portal/TSE

NO BRASIL, PERFIL DOS CANDIDATOS MUDOU

Dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) indicam que, nas Eleições Municipais 2020, o perfil geral dos candidatos é outro, se comparado com quatro anos atrás.

Entre os mais de 548 mil candidatos registrados, sendo 49,9% autodeclarados pretos ou pardos. O novo perfil médio consiste em: homem, negro, com ensino médio completo, e uma idade de 46 anos.

Para o cientista político Doacir Gonçalves de Quadros, os dados indicam a mudança no perfil dos aspirantes à elite política representativa no Brasil. No entanto, ele pondera que a mudança é mais atenuada de acordo com o cargo em disputa.

“Para cargo de prefeito, a grande maioria dos candidatos – 63% – são brancos, para 35% negros. Para vereadores, 46% se autoproclamam brancos, contra 50% negros”, diz Quadros.

Ele acredita que a mudança do perfil dos candidatos é o primeiro passo para diminuir a discrepância entre o perfil da população e os eleitos, que ainda é muito grande.

“A mulher negra representa 28% do total da população, porém, esse percentual não reflete na representação no Congresso Nacional. Negros não passam de 2% do total de parlamentares”, afirma.

Previous ArticleNext Article