Segundo debate dos candidatos a prefeito de Curitiba; veja o resumo das discussões na Band

Jorge de Sousa

Segundo debate dos candidatos a prefeito de Curitiba; veja o resumo das discussões na Band

O segundo debate das Eleições 2020 em Curitiba, promovido pela Band nesta quarta-feira (14), apresentou moderação dos candidatos a prefeito, algumas ‘dobradinhas’ e muitas críticas a gestão de Rafael Greca.

Participaram das discussões os candidatos Carol Arns (Podemos), Christiane Yared (PL), Diogo Furtado (PCO), Eloy Casagrande (Rede), Goura (PDT), Letícia Lanz (PSOL), Professora Samara (PSTU) e Zé Boni (PTC).

Christiane Yared foi a candidata mais acionada pelos outros candidatos com cinco perguntas recebidas. Na sequência apareceram Goura e Carol Arns com quatro perguntas cada.

Já entre as ‘dobradinhas’, se destacaram com quatro interações os candidatos Zé Boni e Diogo Furtado e também Yared e Arns.

Mesmo com diversas críticas sobre o trabalho nos últimos quatro anos, Rafael Greca novamente não se pronunciou nas redes sociais sobre os ataques recebidos e nenhum direito de resposta foi solicitado pelo atual prefeito durante o debate.

CANDIDATOS EVITAM CONFRONTO DIRETO DURANTE DEBATE NA BAND

Em poucos momentos houve perguntas de maior tensão entre os candidatos, sendo que nenhuma das respostas veio de forma direta ou agressiva.

Zé Boni e Diogo Furtado chegaram a intercalar mensagens de “Fica Bolsonaro” e “Volta Lula”, sendo que o candidato do PTC ainda questionou Christiane Yared sob o uso do fundo eleitoral.

“Todos vocês sabem que eu uso o fundo partidário e digo que é completamente transparente o uso desse fundo. Tudo isso tem um preço no final. Eu não acredito em Papai Noel e emprego em Curitiba esses recursos, inclusive para gerar empregos. Por muito tempo tivemos candidatos bancados por grandes corporações, que lá na frente cobram valores altos”, respondeu Yared.

Já Letícia Lanz procurou diretamente Carol Arns sobre o trabalho conduzido por ela na FAS (Fundação de Ação Social) e Goura pelo posicionamento do PDT na aprovação da implantação das escolas cívico-militares no Paraná.

“A FAS terá a política voltada para o Sistema Único de Assistência Social, focada na valorização das famílias e no combate a violação de direitos. Percebemos que hoje muitos colaboradores sabem como resolver problemas, mas são impedidos de fazer pela atual gestão, que está mais preocupada em mão de obra do que nessa recuperação”, avaliou Arns.

Goura, por sua vez, reforçou que não seguiu o restante da bancada do PDT no Paraná e votou de forma contrária a implantação dessas escolas, apontando que na gestão de Gustavo Fruet (também do PDT), Curitiba alcançou o primeiro lugar no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e que hoje ocupa apenas o quarto lugar.

TRANSPORTE PÚBLICO E MORADORES DE RUA FORAM OS TEMAS MAIS DEBATIDOS

Com três questionamentos cada, o transporte público e a população em situação de rua foram os temas mais debatidos durante o segundo debate a prefeito de Curitiba.

Sobre transporte público, Arns e Yared criticaram o modelo atual. A deputada federal apontou que irá criar um passe público para diminuir os gastos mensais das famílias mais carentes.

Arns prometeu diminuir em 50% o custo da passagem atual (R$ 4,50), cortando 15% o custo do transporte coletivo, 15% com subsídios do Governo Estadual e União e mais 20% junto das empresas de ônibus.

Goura foi questionado duas vezes sobre o tema. Na primeira, o deputado estadual respondeu a Professora Samara que é necessário maior transparência nos contratos com as empresas de ônibus e que a atual gestão se preocupa mais com os empresários do que com a população.

“Logo no início ele (Rafael Greca) extinguiu a Domingueira, que possibilitava o acesso da população carente ao transporte público aos domingos. O próximo contrato termina em 2025 e por isso o próximo prefeito terá o desafio de dar prosseguimento a esse novo vínculo”, colocou Goura.

O deputado também defendeu em questionamento feito por Arns a criação de uma ciclovia que parte do Cachoeira até o Tatuquara, além de criticar os baixos investimentos feitos por Greca no modal cicloviário.

Já sobre a população em situação de rua, Diogo Furtado defendeu em pergunta de Zé Boni a criação de moradias populares e a concessão de crédito para essas pessoas. Boni usou a tréplica para afirmar que irá criar a Secretaria Municipal Cristã para administrar as ações de assistência social em Curitiba.

O tema também foi debatido por Yared e Arns. Enquanto a candidata do Podemos apontou que a política de Greca de possibilitar apenas uma pernoite aos moradores de rua se mostra equivocada, a deputada defendeu maior inserção no mercado de trabalho com cursos profissionalizantes para essas pessoas.

Arns inclusive relacionou a política de assistência social de Greca com as ações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com os imigrantes nas regiões de fronteira, classificando ambas as ações como “violadora aos direitos humanos”.

RECUPERAÇÃO ECONÔMICA PÓS-COVID-19 TAMBÉM GANHA DESTAQUE

A pandemia da Covid-19 também ganhou repercussão entre os candidatos durante o debate, mas o foco das discussões se concentrou nas medidas a serem tomados após a vacinação contra a doença.

Goura defendeu em debate com Eloy Casagrande que a retomada dos empregos precisa ser feita de forma descentralizada, estimulando micro e pequenos empresários dos bairros periféricos e auxiliando no desenvolvimento dos municípios da Região Metropolitana.

“O atual prefeito prefere apoiar com crédito os grandes empresários do setor de transporte coletivo do que os micro e pequenos”, analisou o deputado.

Casagrande apontou que uma solução é a construção de casas modulares, por meio de um programa de ecobairros. Dessa forma, cada setor teria serviços de economia verde, isso é, voltado para o desenvolvimento sustentável e com os trabalhadores criando suas próprias residências.

Em outro debate entre as candidatas Yared e Arns, a deputada seguiu Goura e defendeu o auxílio para o micro e pequeno empresário, com atendimento diferenciado para evitar o fechamento dessas empresas.

Já Arns confirmou que irá criar uma série de medidas econômicas para estimular o comércio e indústria em Curitiba, adotando práticas como a redução de tributos e facilitação para o refinanciamento de dívidas.

Outro impacto da pandemia é o afastamento dos estudantes das aulas presenciais. O tema foi debatido pela Professora Samara que apontou falhas na gestão da educação na atual gestão e defendeu que as atividades escolares retomem apenas após a vacinação da população na cidade.

“Escolas com falta de profissionais, salários dos professores abaixo do valor recebido há cinco anos atrás e alunos entulhados nas salas de aulas. Isso afeta mais os filhos dos trabalhadores. Por isso, temos que tirar dinheiro do pagamento de dívidas públicas para investir nas escolas”, defendeu Samara.

Para assistir ao debate na íntegra clique neste link

LEIA MAIS: Setor pede 50% da capacidade nos eventos em Curitiba

Previous ArticleNext Article