câmara dos deputados
Compartilhar

A matemática de Coritiba e Atlético-PR na reta final do Brasileirão

Coritiba e Atlético-PR precisam melhorar seus aproveitamentos nesta reta final de Campeonato Brasileiro para alcançarem ..

Francielly Azevedo - 23 de setembro de 2017, 08:00

Coritiba e Atlético-PR precisam melhorar seus aproveitamentos nesta reta final de Campeonato Brasileiro para alcançarem os objetivos que a atual classificação coloca para cada um. Em oitavo lugar, o Furacão sonha com o G6 e conta com o crescimento de produção na era Fabiano Soares para voltar à Libertadores. Antepenúltimo colocado, o Coxa não tem outra ambição, ao menos no momento, a não ser deixar a zona de rebaixamento. O Paraná Portal fez as contas para mostrar o que cada um precisa fazer nas 14 últimas rodadas do Campeonato para poder comemorar, ou, ao menos, respirar aliviado ao final da temporada sem depender dos resultados dos outros times.

Desde 2006, quando o Campeonato Brasileiro, por pontos corridos, passou a ter 20 clubes, a maior pontuação de uma equipe rebaixada foi 45 pontos, em 2009 (o próprio Coritiba). E a maior pontuação de um sexto colocado foi 61 pontos (o Fluminense em 2014). Assim, apesar de já ter histórico de time terminando na sexta posição com 54 pontos ou escapando do rebaixamento com 43 pontos, o Paraná Portal usou como referência as pontuações máximas necessárias, para não haver surpresa ao final do campeonato (61 pontos para se garantir no G6, 46 para permanecer na série A).

Na ponta do lápis

Com 34 pontos em 24 jogos, o Atlético, para atingir os 61 pontos, precisaria de mais 27 nestas 14 últimas rodadas, tendo um aproveitamento de 64% dos 42 pontos que ainda disputará, necessitando melhorar bem seu aproveitamento atual, que é de 47,2%. Como motivação para o Furacão, desde a chegada de Fabiano Soares ao comando do time, em julho, o aproveitamento da equipe é de 60%, marcando 18 pontos em 30 disputados.

O Atlético ainda conta com a possibilidade de abrirem-se novas vagas para a Libertadores pelo Brasileirão, caso equipes que estiverem no G6 conquistarem a vaga através de outra competição, como a Libertadores, a Copa do Brasil e a Sul Americana. O G6 pode virar, até, G9. Para não ser rebaixado, bastam mais quatro vitórias ao Furacão.

Já o Coritiba precisa somar mais 19 pontos aos atuais 27, para permanecer na série A, necessitando, assim, de um aproveitamento de 45% dos pontos que disputará. Hoje, a média do Coxa é de 37,5% de aproveitamento. O alerta para o alviverde é que nos oito jogos com Marcelo Oliveira no comando técnico, o time marcou apenas oito pontos, aproveitamento de 33%, bem abaixo do necessário nesta reta final.