Vítima de abuso, medalhista olímpica processa Comitê dos EUA

Francielly Azevedo


SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS)

O caso Larry Nassar, sobre o médico que abusou de ginastas durante décadas nos Estados Unidos, ganhou um novo capítulo nesta sexta-feira (2). Campeã olímpica em 2016 por equipes e uma das centenas de vítimas no escândalo, Aly Raisman processou o Comitê Olímpico dos Estados Unidos. A informação foi confirmada pelo chefe executivo da entidade, Scott Blackmunn.

Raisman acusa o Comitê Olímpico americano de negligência durante as décadas de abuso de Larry Nassar. A medalhista de ouro no Rio de Janeiro diz que a organização e a Federação de Ginástica do país sabiam das atitudes do médico, que foi condenado em três processos (175 e 125 anos de prisão em casos de abuso, além de 60 por pornografia infantil).

De acordo com Raisman, o médico cometeu abuso em duas oportunidades: no Centro Nacional de Treinamento, localizado no Texas, e durante os Jogos Olímpicos de 2012. Mesmo como vítima de Nassar em Londres há seis anos, a ginasta conquistou duas medalhas de ouros (equipes e solo).

A tricampeã olímpica emitiu um comunicado nesta sexta, depois de tornado público o processo contra o Comitê Olímpico dos EUA. Raisman se apresentou desde o início do escândalo como uma das atletas mais ativas no combate aos crimes cometidos por Larry Nassar.

“Minha maior prioridade é pedir por mudanças para que as futuras gerações estejam seguras. Dolorosamente é muito claro para mim que essas organizações não estão enfrentando corretamente o problema. Após este tempo todo, eles permanecem sem vontade de conduzir uma investigação”, escreveu a atleta, que aproveitou também para desabafar contra a entidade olímpica do país.
“Enquanto isso, centenas de atletas continuam treinando e competindo todos os dias neste mesmo sistema falido. Eu me recuso a esperar mais por essas organizações para que elas façam a coisa certa. Minha esperança é que este processo possibilite a mudança que é desesperadamente necessária”, completou.

As primeiras denúncias contra Larry Nassar ocorreram ainda em 2015, quando a ginasta Maggie Nichols relatou os abusos do médico à Federação de Ginástica. Somente um mês depois, o grupo de atletas levou a denúncia ao FBI, que iniciou as investigações. O Comitê Olímpico alega que soube do comportamento do médico apenas em setembro de 2016, após reportagem do jornal Indianapolis Star.

Previous ArticleNext Article
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.
[post_explorer post_id="484206" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]