A triste morte de Santiago Garcia e a insensibilidade

Marcos Malucelli

Santiago Garcia

A morte do jogador Santiago Garcia deixou a todos atônitos, sofridos, surpresos e tristes (à exceção, naturalmente, de um ou outro insensível que acha que a vida do terceiro não tem importância – “black lives matter”).

Devemos respeito ao suicida pelo ato tão definitivo e de tanta dor psíquica que o leva a um sofrimento extremo, à asfixia de viver.

O insensível faz-se acompanhar de um ressentimento que o leva à impossibilidade de esquecer ou  mesmo de superar quem a ele não se submete, tal qual o senhor e o escravo.

Ele (o “senhor”) não consegue esquecer quem não lhe “obedece” e por isso sofre psicologicamente, em um estado emocional ocupado por ruminações estéreis e fantasias vingativas.

Ele (o “senhor”) é uma soma de rancor + raiva + ciúme + inveja.

Em suma, o ressentimento é a consequência da derrota e o ressentido, pobre coitado, é capaz de acusações levianas até mesmo em momento de óbito.

Acima de tudo está o narcisismo, o que faz da pessoa, afinal, apenas um fraco!

 

Marcos Malucelli foi presidente do CAP

 

Leia também: Morro García é encontrado morto com tiro no peito na Argentina

 

Veja nota da AFA (Associação de Futebol da Argentina) sobre a morte de Santiago Garcia.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal