Após sumiço e porre Marcelo Cabo continua no Dragão

Redação


Por Leopoldo Scremin

Depois de viver um drama com o desaparecimento de seu técnico Marcelo Cabo, o Atlético Goianiense comunicou por meio do diretor de futebol Adson Batista, que o técnico será mantido no cargo. A decisão foi tomada em reunião que contou com o diretor Adson Batista, o auxiliar João Paulo Sanches e o supervisor Júnior Mortosa, além do próprio técnico.

“Ele sabe que errou e está muito arrependido. Não poderíamos tomar uma decisão diferente. Não poderíamos aniquilar a carreira dele”, disse o diretor Adson Batista. “Pensando no clube nós tomamos essa decisão, pensei no histórico do treinador, e o grupo foi unânime em abraçar o caso do Marcelo, vamos dar todo o apoio”.

O título foi fundamental na decisão da diretoria do Dragão, uma vez que nos programas esportivos de Goiânia houve grande comoção por parte da torcida, que pedia uma nova chance ao técnico. Porém Adson deixou claro que não existe mais espaços para erros, e comentou o porquê do sumiço, já relatando que o próprio técnico em coletiva amanhã contará os detalhes.

“Ele sabe que está na corda bamba”, sentenciou Adson. “Marcelo sabe que cavou sua própria sepultura, mas decidimos lhe dar uma segunda chance… Ele comunicou que teve uma discussão familiar e um surto. Disse que bebeu muito e que teve outras situações também e que ele virá explicar para vocês amanhã. O Marcelo foi muito verdadeiro, não quis esconder nada. Agora vai depender dele”.

Depois da reunião o técnico foi embora e quem ficou responsável por comandar o treino foi seu auxiliar técnico, João Paulo Sanches. Nesta quinta-feira (19), o técnico dará entrevista coletiva antes de comandar o treino da equipe.

Entenda o caso:

Marcelo Cabo, de 50 anos, havia comandado a equipe durante um jogo-treino contra o Gama, do Distrito Federal na tarde de sábado, e após a partida se despediu dos auxiliares dizendo que iria para casa. Porém, o treinador só chegou a seu apartamento às 2h30 da madrugada, deixando o local meia hora depois e desaparecendo por 36 horas.

Depois das 36 horas do desaparecimento Marcelo voltou a sua casa em um táxi de Aparecida de Goiânia, buscou algo em foi embora, permanecendo desaparecido até o início da noite de segunda-feira, quando a Polícia Militar o encontrou próximo a um motel. Marcelo foi encaminhado a casa de um dos diretores da equipe para se recuperar e poder prestar esclarecimentos ao clube.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="409433" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]