Atleta paranaense completa prova de triathlon mais difícil do mundo

Francielly Azevedo


O atleta Everson Nairon Duda disputou a prova de triathlon full distance Norseman, de Extreme Triathlon, disputada na Noruega. A competição, com dificuldade elevada, foi realizada no início do mês. A prova é conhecida com uma das disputas de triathlon mais difíceis do mundo.

Ao todo são 140 milhas (cerca de 227 km) de nado em águas geladas (alimentadas por cachoeiras vindas de montanhas de gelo), pedalada em curvas de montanhas na chuva com vento gelado e corrida em subidas sinuosas.

“O Norseman é a prova de triathlon mais difícil do mundo e eu fui lá pra ver se era verdade”, conta o atleta, que agora confirma a afirmativa. “Ela é muito difícil do início ao fim, não tem um momento que a gente consiga descansar, relaxar um pouco, é sofrimento até o final. Um momento que eu nunca vou é saltar do navio para pular na água escura e gelada. É um momento inesquecível saber que você está prestes a começar o dia mais difícil, mas mais recompensador da sua vida”.

 

Superando os limites

Os 180 km de pedal é um trajeto de chuva, subida e frio, resultado em muita dor para os participantes. Duda caiu da bicicleta aos 110 km do pedal.

“Eu estava muito rápido, me machuquei bastante, acabei machucando um pouco a bike. Meu objetivo era chegar entre os 160 primeiros da prova. Nesse momento eu sabia que eu estava condenado, perdi muito tempo. Tive que esperar ajuda médica, concertar a bike sozinho [uma vez que a competição não permite ajuda externa], convencer o árbitro a continuar a prova”.

A partir da queda, seu objetivo era concluir a competição e para isso deu o máximo de si.

“Apesar de todos os contratempos eu consegui chegar ao final e estar lá com o hino do Brasil foi muito emocionante. No final é muito recompensador. Olhar para trás e ver todo o percurso, toda aquela dificuldade é uma superação mesmo. Eu me senti imbatível porque eu sabia que eu tinha vencido o meu medo, minha insegurança, meu nervosismo, ansiedade. Senti-me imbatível pelas minhas fraquezas”.

Duda concluiu Norseman em 14h50, cruzando a linha de chegada na 177ª posição, de 246 atletas participantes. Como aprendizado, conta que o “mais recompensador é provar para mim mesmo que eu posso fazer qualquer coisa que eu queria quando eu coloco foco, dedicação e trabalho. Muito trabalho e disciplina”. Agora o atleta se prepara para outro Xtreme Triathlon.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.
[post_explorer post_id="449844" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]