Atlético-PR e torcida organizada entram em acordo para retorno à Arena da Baixada

Francielly Azevedo


O jogo desta noite entre Atlético-PR e Londrina marcará o reencontro da torcida organizada rubro-negra com a Arena da Baixada. A diretoria do clube e membros da torcida organizada “Os Fanáticos” se reuniram na sede do Ministério Público do Paraná (MP-PR) e chegaram a um acordo. A organizada pedia na Justiça o direito de entrar no estádio com instrumentos e faixas, o que é proibido pelo Atlético. Com o intermédio do MP-PR, ficou definido que os torcedores voltarão à Arena já no jogo da final da Taça Caio Júnior.

O setor ocupado pela organizada será o Getúlio Vargas Superior. Serão permitidas as entradas de bateria (instrumentos musicais), bandeiras sem mastros e faixas de até quatro metros de comprimento. No entanto, os itens não devem possuir identificação com alusão a torcidas organizadas.

Segundo o clube, os Sócios do Setor Buenos Aires Inferior poderão optar por assistir ao jogo no Setor Getúlio Vargas Superior. Já os Sócios do Setor Getúlio Vargas poderão assistir à partida no Setor Brasílio Itiberê Superior, caso desejarem.

Por meio de nota, a torcida organizada afirmou que aceitou o retorno, mas que o modelo ainda não é o ideal. “O setor é muito inclinado para coreografias e baterias, mas frisamos mais uma vez que fizemos isso porque lugar de torcedor é dentro do estádio”, diz o comunicado.

 

Confira a nota na íntegra:

“A Torcida Os Fanáticos e o Clube Atlético Paranaense se reuniram no Ministério Público a convite deste órgão para acabar com o impasse que está transformando o Caldeirão do Diabo em um estádio neutro e frio.

A proposta que foi aceita, embora não seja o ideal, pela Torcida Os Fanáticos mediada pelo MP é fazer um teste na Getúlio Vargas Superior e isso acontecerá na final da Taça Caio Júnior no dia 28/03.

Amanhã estaremos com a bateria e bandeiras do Atlético, lembrando que essa condição foi aceita pois queremos a volta da festa e apoiar o Atlético como fazemos há 40 anos ininterruptamente.

Caso seja possível realizar a festa que sempre fazemos, será assinado um TAC e voltaremos ao nosso Caldeirão, este TAC só será assinado junto ao Ministério Público com a liberação 100% de nosso material e em troca cedemos o setor que ficamos para o Atlético trabalhar comercialmente já que em três anos de estádio FIFA não houve sucesso nas negociações com lojas, bares e algo está errado.

Foi deixado claro que o setor escolhido é tradicionalmente local onde se assiste jogo sentado e enquanto a Baixada não tinha cadeiras em sua totalidade era o único setor com cadeiras, ou seja, vários sócios que sempre ficaram distante da festa da torcida organizada, ficarão no meio.

Além disso, qualquer estádio no mundo a organizada não fica na reta superior.

Também foi frisado que o setor é muito inclinado para coreografias e baterias, mas frisamos mais uma vez que fizemos isso porque lugar de torcedor é dentro do estádio.

Os sócios Fan poderão acessar o setor que ficaremos.

Por último, nossa marca Caveira nunca foi, nunca será e nunca teve interesse em ser concorrente do Atlético, se somos reconhecidos foi pelo trabalho e apoio ao Furacão durante todos os anos, bem como o papel fundamental para qualquer um ser apaixonar pelo Atlético e querer ir aos estádios.

Muitos clubes gostariam de ter uma Caveira como aliada!”

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.