Atlético-PR pretende recorrer à Conmebol após racismo

Fernando Garcel


O Atlético-PR planeja acionar a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) após o meia Carlos Alberto alegar ter sofrido ofensas racistas da torcida do Deportivo Capiatá na vitória por 1 a 0.

> Em jogo marcado por racismo, Furacão elimina o Capiatá e está na Libertadores

O atleta, que diz ter sido chamado de ‘macaco’, entre outros insultos, foi tirar satisfação com os torcedores logo após o apito final. E precisou ser contido pelo atacante Grafite, que também já foi alvo de racismo no torneio continental.

A atitude dos paraguaios também revoltou o técnico Paulo Autuori, que falou sobre o episódio em coletiva de imprensa após o jogo. “América do Sul me parece uma república das bananas, em que tudo pode. O Nikão foi chamado de macaco, outros jogadores também, jogaram garrafas, as bolas sumiram. Assim nós vamos continuar patinando no futebol. Na Europa, já tem punições faz tempo. A diferença é que lá eles agem”, comentou.

Oficialmente, o Furacão não se manifestou, exceto por uma mensagem no Twitter repudiando o caso. Em entrevista ao site globoesporte.com, porém, o presidente atleticano Luiz Sallim Emed disse que o clube pretende pedir à Conmebol para ‘responsabilizar quem faz isso’.

“A gente lamenta esse tipo de coisa, em pleno século 21 ainda ter que comentar fatos desse tipo de natureza. É algo completamente fora de propósito. Vamos fazer uma representação, mas para tentar mudar este tipo de comportamento. Temos mecanismos para tentar acabar com isso, e a primeira coisa a ser feita é responsabilizar os autores dos atos”, afirmou o dirigente.

Próximos jogos

Agora, o Furacão irá enfrentar agora o Universidade Católica (Chile), San Lorenzo (Argentina) e Flamengo.

Previous ArticleNext Article