Brasil encara mata-mata antecipado contra a Sérvia; acompanhe

Francielly Azevedo


A seleção brasileira chega à última rodada da fase de grupos da Copa do Mundo em uma situação bem menos confortável do que se esperava. Após chegar à Rússia como uma das principais favoritas à conquista do título, o Brasil, agora, corre o risco, até, de uma eliminação precoce ainda na primeira fase. Assim, a partida das 15h desta quarta-feira, contra a Sérvia, tornou-se um mata-mata antecipado, em que uma derrota significa o retorno para casa. A última vez que o Brasil foi eliminado na primeira fase de uma Copa foi na Inglaterra, em 1966.

Com essa pressão, o jogo desta quarta-feira também coloca em xeque o trabalho até então incontestável do técnico Tite. No comando da seleção há pouco mais de dois anos, o treinador segue invicto em competições oficiais (tirou o Brasil de uma situação delicada nas eliminatórias para uma classificação antecipada e com larga vantagem para os adversários), tendo perdido apenas um amistoso, para a Argentina.

Mas o grupo está animado, o treinador está satisfeito com o desempenho da equipe na vitória dramática sobre a Costa Rica (destacando que a equipe não se desesperou e nem mudou a forma de jogar mesmo só conseguindo o primeiro gol nos acréscimos) e o discurso é de conquistar uma boa vitória sobre a Sérvia, classificar na primeira posição do grupo e chegar embalado para a fase final.

Assim, mesmo tendo testado algumas alternativas durante a semana, Tite repetirá a escalação da última partida. Um empate garante a vaga, mas o treinador resistiu a escalar uma equipe mais cautelosa e manteve a formação ofensiva, mantendo o quarteto de ataque de quem tanto se espera criatividade e objetividade.
Com a vaga na fase de mata-mata ameaçada, Tite admitiu que todas as “situações são possíveis” na noite desta quarta em Moscou e chegou a comparar a situação com a derrota mais vergonhosa da sua carreira: a eliminação para o Tolima, da Colômbia, na Libertadores de 2011, quando treinava o Corinthians.

“Pode [ser o novo Tolima]. Todas as situações são possíveis. Todas. Eu não as descarto. Todo aprendizado do passado eu trago, mas com uma diferença: estou há dois anos e pouco com essa equipe, e, quando acabou o segundo tempo [vencido pela Costa Rica, por 2 a 0], me orgulhei”, disse o treinador, que elogiou o fato de a equipe não ter se desesperado na última partida.

Os dois gols da vitória foram marcados nos acréscimos em São Petersburgo.
“O time me orgulhou muito. São dois anos e pouco, 23 jogos. O [Joachim] Löw tem quantos? Cento e pouco. Löw e Alemanha mantiveram padrão e não quebraram com gol aos 50 min e pouco [contra a Suécia]. Aquilo que não tinha com o Tolima, hoje tenho forte com a seleção. Mas pode ser, é da vida”, disse o treinador, que venceu 18 partidas, empatou quatro e perdeu apenas uma até agora.

Apesar de manter o quarteto em Moscou, o próprio treinador já testa alternativas.
No treino de segunda-feira (25), ele ensaiou o time sem Gabriel Jesus e colocou o volante Fernandinho. A atividade contava com seis jogadores (entre meio-campistas e atacantes), que faziam um treino de enfrentamento contra os zagueiros.

Caso não funcione a formação, Roberto Firmino deverá entrar no time no segundo tempo. Ele e Taison, que ainda não foi utilizado na competição, são as únicas opções ofensivas do treinador para o jogo contra os sérvios.

A outra seria Douglas Costa, mas o jogador da Juventus sofreu uma lesão muscular e está no departamento médico.

O Brasil lidera o Grupo E, com quatro pontos e um gol de vantagem no saldo para a Suíça, que tem a mesma pontuação. Adversária desta quarta, a Sérvia soma três pontos e se classifica se vencer o Brasil. No mesmo horário, a Suíça enfrenta a eliminada Costa Rica.
Acompanhe tudo sobre Brasil x Sérvia, antes, durante e depois da partida, em tempo real no Placar Paraná Portal / UOL.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.