5 motivos que fazem Brasil x Argentina ser o maior duelo dos últimos 12 anos

Brasil x Argentina duelam por uma vaga na final da Copa América 2019 nesta terça-feira (2), às 21h30, no Mineirão, em Be..

Vinicius Cordeiro - 01 de julho de 2019, 18:00

Foto: Reprodução / Estádio Mineirão
Foto: Reprodução / Estádio Mineirão

Brasil x Argentina duelam por uma vaga na final da Copa América 2019 nesta terça-feira (2), às 21h30, no Mineirão, em Belo Horizonte. O maior clássico das Américas não trouxe grandes emoções nos últimos 12 anos. Entretanto, isso só aumenta a expectativa para essa semifinal.

O último grande confronto entre brasileiros e argentinos foi na Copa América de 2007. O Brasil meteu 3 a 0 sobre os hermanos e conquistou a taça. Os gols foram marcados por Júlio Baptista, Ayala (contra) e Daniel Alves - o único remanescente daquele grupo.

Desde então, foram 14 confrontos entre as seleções principais dos dois países. Todos eles eram amistosos, pelas Eliminatórias ou no Superclássico das Américas, título meramente figurativo para atrair público. Ou seja, todos os confrontos eram atrativos por serem duelos entre Brasil e Argentina, mas não havia um nível competitivo maior como é o caso de agora.

Confira cinco pontos que tornam essa semifinal especial:

SECA 

O momento atual das duas seleções é de pressão. O último título do Brasil foi na Copa das Confederações em 2013. Porém, o 7 a 1 em 2014 e a eliminação na Copa do Mundo da Rússia foram derrotas que fazem a seleção canarinho ter muita tensão. Além disso, a amarelinha tenta voltar a estar em uma final da Copa América após 12 anos.

Do outro lado, a Argentina não levanta um troféu com sua equipe principal desde 1993, justamente na Copa América. O time era recheado de bons jogadores, como os volantes Diego Simeone e Redondo, além de Gabriel Batistuta. Aliás, o atacante foi o autor dos dois gols na vitória por 2 a 1 sobre o México, que contava de Hugo Sánchez.

MESSI

FASE RUIM

Tanto Brasil quanto Argentina não convencem nessa Copa América. A seleção brasileira teve a melhor atuação no 5 a 0 sobre o Peru, mas foi o jogo da exceção. Já os argentinos perderam para a Colômbia na estreia e empataram com o Paraguai, mas conseguiram chegar até aqui pelos triunfos sobre o Catar e Venezuela.

Ou seja, a diferença técnica de Brasil e Argentina fizeram os dois países chegarem à semifinal sem muita exigência. Agora, o peso do confronto e a tradição das camisas entra em jogo.