CBV adia quase toda a rodada da Superliga Feminina após surtos de Covid-19

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) teve que adiar quatro dos cinco jogos da Superliga Feminina programados para a ..

Pedro Melo - 04 de janeiro de 2022, 18:01

(Diego Pereira/Curitiba Vôlei)
(Diego Pereira/Curitiba Vôlei)

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) teve que adiar quatro dos cinco jogos da Superliga Feminina programados para a próxima sexta-feira (07) por conta de surtos de Covid-19 Até o momento, Curitiba Vôlei, Sesc/Flamengo, Osasco e Valinhos já tiveram casos.

Os jogos adiados da primeira rodada de 2022 da Superliga são Curitiba Vôlei x Barueri, Valinhos x Minas, Fluminense x Osasco e Sesc/Flamengo x Sesi/Bauru. A única partida ainda confirmada é Maringá x Brasília, que acontece na sexta (07), às 20h, no interior do Paraná.

A partida entre Osasco x Minas, que seria na segunda-feira (10), também foi adiada. Com isso, a CBV terá que remarcar praticamente toda a rodada, o que aumentará a maratona de jogos nas próximas semanas.

SURTOS DE COVID-19 EM QUATRO TIMES DA SUPERLIGA FEMININA

O Curitiba Vôlei foi o primeiro time a registrar casos de Covid-19. Após a folga de Natal, o clube testou o elenco e teve cinco diagnósticos positivos. “Fizemos os testes e foi uma surpresa detectar tantos casos de Covid, com as meninas retornando de tantos lugares do Brasil. Elas estão assintomáticas, isoladas e com a equipe médica tomando conta. Desejamos um pronto restabelecimento e que logo possam voltar a jogar”, afirmou a manager Gisele Miró.

Nos últimos dias, mais três times sofreram com surtos. O Sesc/Flamengo, do técnico Bernardinho, tem 10 pessoas contaminadas, entre jogadoras e comissão técnica. O Osasco anunciou cinco casos positivos, em um grupo de 30 pessoas. Já o Valinhos testou 20 pessoas e cinco estão com Covid-19.

A CBV não exige testes regulares durante a Superliga, mas os clubes optaram em realizar por conta das festas de fim de ano. Em relação ao adiamento dos jogos, uma equipe só pode solicitar se tiver mais de três jogadoras infectadas com o Covid-19.