Copa Sul-Minas pode voltar em 2023 com Athletico, Coritiba e Paraná Clube

Athletico, Coritiba, Paraná Clube, Avaí, América-MG, Atlético-MG, Chapecoense, Criciúma, Cruzeiro, Grêmio, Internacional e Juventude seriam os participantes

Redação - 03 de agosto de 2022, 17:19

(Geraldo Bubniak/AGB)
(Geraldo Bubniak/AGB)

A Copa Sul-Minas pode ser a grande novidade no calendário do futebol brasileiro a partir de 2023. O retorno do torneio regional está sendo discutido para ser disputado paralelamente aos estaduais e com as participações dos seguintes clubes: Athletico, Coritiba, Paraná Clube, Avaí, América-MG, Atlético-MG, Chapecoense, Criciúma, Cruzeiro, Grêmio, Internacional e Juventude.

Segundo o presidente do Criciúma, Vilmar Guedes, a expectativa é arrecadar R$ 170 milhões com a competição e já tem a aprovação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). “Não haverá esvaziamento dos estaduais. CBF já aprovou. Só vai ter jogos bons”, declarou, em entrevista à Rádio Cidade em Dia.

Caso o torneio consiga arrecadar R$ 170 milhões, cada participante pode receber pelo menos R$ 10 milhões. Existe uma proposta para divisão igualitária, mas o mais provável é que o campeão tenha uma maior participação nos lucros.

Os dirigentes se apoiam no sucesso da Copa do Nordeste para resgatar a Copa Sul-Minas. O torneio nordestino retornou em 2013, é um sucesso dentro e fora de campo e reforçou as finanças dos clubes nos últimos dias. Além disso, os estaduais não ficaram esvaziados e servem também como forma de classificação.

COPA SUL-MINAS JÁ TEVE ATHLETICO E CORITIBA NA FINAL

A Copa Sul-Minas teve quatro edições entre 1999 e 2002. O Coritiba foi vice-campeão em 2001 após perder a grande final para o Cruzeiro, enquanto o Athletico perdeu a final também para a equipe mineira e ficou em segundo lugar.

Além da dupla Athletiba, Paraná Clube e o extinto Malutrom participaram do torneio regional.

Em 2016, os clubes se reuniram para a disputa da Primeira Liga, torneio que reuniu os clubes de Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais, além da dupla Flamengo e Fluminense. Porém, a nova competição teve muitos problemas entre os dirigentes e foi cancelada depois de apenas duas edições.