Coritiba x Athletico: CBF define data e horário do Athletiba pelo Brasileirão

O Athletiba acontece no dia 19 de junho (domingo), às 16h, no Couto Pereira; será o primeiro clássico pelo Campeonato Brasileiro desde janeiro de 2021

Pedro Melo - 20 de maio de 2022, 15:10

(Geraldo Bubniak/AGB)
(Geraldo Bubniak/AGB)

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) definiu a data e o horário do clássico entre Coritiba e Athletiba do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. O Athletiba acontece no dia 19 de junho (domingo), às 16h, no Couto Pereira.

Esse será o quarto clássico da temporada, que já teve uma vitória coxa-branca e dois empates. O Alviverde ganhou o jogo de ida da semifinal do Campeonato Paranaense por 2 a 1, em plena Arena da Baixada. O jogo da fase de classificação terminou em 0 a 0 e a volta da semi do estadual acabou empatado em 1 a 1.

Já no Campeonato Brasileiro, o clássico Athletiba não acontece desde 09 de janeiro de 2021, válido ainda pela competição de 2020. O confronto terminou empatado em 0 a 0, no Couto Pereira. A curiosidade que foi a primeira vez que o técnico Gustavo Morínigo, que desembarcou em Curitiba no mesmo dia, esteve no Couto Pereira.

CORITIBA X ATHLETICO DEVE TER TORCIDA ÚNICA

A tendência é que Coritiba e Athletico se enfrentem apenas com os torcedores coxas-brancas no estádio. O motivo é que a briga entre torcedores dos dois times no primeiro Athletiba do ano, em 16 de fevereiro. Os confrontos das semifinais do Campeonato Paranaense já foram com torcida única.

Além da retirada da torcida visitante, a briga resultou em punição para a dupla Athletiba. Em julgamento realizado na última quarta-feira (18), o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu Coritiba e Athletico em um jogo cada com portões fechados no início do Campeonato Paranaense de 2023.

"Entendo aqui que o mando de campo tem que ser cumprido com portões fechados para atingir o caráter pedagógico da pena. Propondo a manutenção do acórdão do TJD/PR para R$ 25 mil e a perda de um mando com portões fechados para cada clube", afirmou o auditor José Perdiz, vice-presidente do STJD e relator do processo.