Um ano depois, Coritiba mantém legado de Renato Follador

Falecido por covid há um ano, ele tornou-se imortal: a Curva da Amâncio Moro, no estádio Couto Pereira, passou a chamar “Setor Renato Follador Jr”.

Redação - 03 de julho de 2022, 21:10

(Foto: Geraldo Bubniak/AGB)
(Foto: Geraldo Bubniak/AGB)

Renato Follador Jr. morreu por complicações da covid-19 há um ano, exatamente no dia 3 de julho de 2021. Eleito presidente do Coritiba no fim de 2020, Follador é um marco na história do clube do Alto da Glória.

Colaborador do Paraná Portal, ele nunca escondeu a paixão pelo Coxa. Na corrida eleitoral, Follador disse que "é mais fácil administrar o Coritiba do que uma padaria". Para quem não administrou nada como ele, é difícil a compreensão.

A vitória sobre o Fortaleza hoje foi contra todas as possibilidades. Foi um daqueles episódios incríveis do futebol. Com um homem a menos, o time alviverde encontrou o gol da vitória nos acréscimos para afastar a zona de rebaixamento e a pressão sobre o técnico Gustavo Morínigo. 

O treinador paraguaio foi mantido por Follador após a eliminação mais vexatória do Coritiba neste século - o time nem classificou para o mata-mata do Campeonato Paranaense em 2021.

Agora, com Juarez Moraes e Silva na presidência, dá para falar que o legado de Renato Follador segue vivo.

O Coritiba bateu recorde do número de sócios - são mais de 40 mil torcedores apoiando a equipe financeiramente (mesmo na fase ruim). A medida garante que os salários não atrasem, como era costume há algum tempo no Alto da Glória. 

Não dá para saber se o objetivo de escapar da Série B será cumprido. Ainda é muito cedo. O time sofre muito com a ausência de Andrey, que se lesionou, e Igor Paixão, suspenso hoje e que pode sair para o futebol internacional. 

Juarez e a atual diretoria assumiram a missão de construir uma "revolução alviverde", expressão muito usada por Follador. Juarez manteve o técnico mesmo com quatro derrotas seguidas e despencar, algo raro para qualquer clube da Série B. 

O Coritiba vai construindo um legado, iniciado por Renato Follador.