Sócios do Coritiba aprovam mudança e clube inicia transformação em SAF

Com 95,47% dos sócios favoráveis, o Coritiba vai adotar o modelo de clube-empresa e constituir uma SAF (Sociedade Anônim..

Redação - 23 de dezembro de 2021, 18:48

(Geraldo Bubniak/AGB)
(Geraldo Bubniak/AGB)

Com 95,47% dos sócios favoráveis, o Coritiba vai adotar o modelo de clube-empresa e constituir uma SAF (Sociedade Anônima do Futebol). A Assembleia Geral Extraordinária foi realizada de forma online nesta quinta-feira.

Conforme o Alviverde, foram 4.099 votos válidos. Destes, 3.902 foram a favor e 185 votos contra. Cinco votos brancos e sete nulos completaram a votação.

Vale lembrar que o Coxa possui mais de R$ 300 milhões em dívidas. Dentro desse cenário, a atual gestão, chefiada por Juarez Moraes e Silva, acredita que a mudança para a SAF é o único caminho para que a equipe do Alto da Glória consiga se reorganizar e se estabilizar administrativamente.

"Com o resultado o Conselho Administrativo do Coritiba Foot Ball Club agradece a participação e confiança do sócio-torcedor neste momento tão importante na história do Clube, demonstrando o entendimento pelo qual passa o Coritiba e quais são as decisões necessárias para sua modernização e reestruturação", divulgou a gestão do clube, em nota.

O QUE É SAF

A lei que estimula os clubes de futebol a virarem clube-empresa SAF (Sociedade Anônima do Futebol) foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em agosto. Isso é uma mudança importante porque a maior parte dos clubes hoje, como o Coxa, é definida como entidade sem fins lucrativos, o que significa isenção total ou parcial de impostos. Na prática (e de forma mais simples), a mudança permite atrair investidores e gerenciar melhor as dívidas dos times.

O formato dessa mudança e como isso aconteceria gerou muito debate entre os parlamentares e Bolsonaro, com derrubada de vetos durante processo de aprovação da lei. Contudo, um veto do presidente que permaneceu é que os clubes não serão obrigados a revelar quem são seus proprietários. Ou seja, a falta de transparência pode ser outro aspecto a ser levado em conta. Dentro desse cenário, alguns torcedores do Coxa criticam que a SAF é um cheque em branco para a gestão chefiada por Juarez Moraes e Silva.

Além disso, antes da lei entrar em vigor, apenas o Red Bull Bragantino e o Cuiabá já tinham estruturas parecidas – ambos executam um modelo empresarial que já era disponível na legislação.

Os clubes, como o Coritiba, que optarem por adotar a SAF poderão recolher 5% da receita bruta como imposto único para cobrir o Imposto de Renda, CSLL e Cofins durante cinco anos. Depois desse período, a alíquota será de 4% e vai englobar a receita da venda dos direitos econômicos dos jogadores.