Curitiba Vôlei anuncia medalhista olímpica como técnica para a Superliga

Pedro Melo

Curitiba Vôlei Kely Kolasco Fraga técnica Superliga

O Curitiba Vôlei anunciou que Kely Kolasco Fraga, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Sydney-2000, é a treinadora do time para a temporada 2021/2022 da Superliga Feminina.

Kely Kolasco Fraga é a primeira mulher a comandar um time da Superliga após seis temporadas. A última havia sido Sandra Mara Leão, que trbalhou no já extinto projeto de Araraquara na temporada 2014/2015. Anteriormente, Isabel Salgado treinou o Vasco na campanha do vice-campeonato em 2000/2001.

A ex-jogadora terá a primeira oportunidade como treinadora na Superliga. Como atleta, ela jogou no Minas de 1992 a 2001 e em Campos entre 2002 e 2003. Pela seleção brasileira, ‘Kelão’, como também é conhecida, ganhou o bronze nas Olimpíadas de Sydney-2000 e no Grand Prix também de 2000.

Há poucas semanas, Kely Kolasco Fraga, junto com Valeskinha, hoje diretora e jogadora do Curitiba Vôlei, participou de uma seleção de talentos para reforçar o elenco. “É uma adrenalina diferente, uma oportunidade de disputar a Superliga e vivenciando esse sonho. As meninas que não vão compor o Curitiba Vôlei podem procurar outros lugares para aprimorar o vôlei e ter uma nova chance na Superliga. A gente fica feliz como ex-jogadora”, comentou a agora treinadora, em conversa com a reportagem do Paraná Portal.

ELENCO DO CURITIBA PARA A SUPERLIGA

O Curitiba Vôlei não oficializou o elenco para a temporada 2021/2022, mas registros da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) apontam três estrangeiras entre as inscritas: a levantadora americana Cali Thompson, a oposta venezuelana Nelmaira Valdez e a central colombiana Melissa Rangel.

Porém, as grandes novidades são Dani Leal e Filó, que já estão aposentadas e jogaram no projeto do Rexona, campeão da Superliga no início dos anos 2000. Elas atuaram junto com Valeskinha, diretora do Curitiba e que deve fazer a última temporada como atleta. O clube não explicou o motivo para a inscrição de duas jogadoras até então aposentadas.

A CBV ainda não divulgou a tabela oficial da Superliga Feminina, porém, o próprio Curitiba Vôlei divulgou nas redes sociais que a estreia será contra o São Paulo/Barueri. O time comandado por Zé Roberto Guimarães também sofre com problemas financeiros, mas está na final do Campeonato Paulista diante de Osasco.

O PROJETO DO CURITIBA VÔLEI

O Curitiba Vôlei surgiu em agosto de 2016, já com a participação de Valeskinha, e conquistou o título da Superliga B em 2018 após vencer o confronto paranaense com Londrina na final por 3 sets a 2. Desde então, a equipe curitibana disputa a elite e sempre alcançou os playoffs.

Nas duas primeiras temporadas, o time terminou em oitavo lugar – perdeu para o Minas na temporada 2018/2019 e não jogou o confronto das quartas de final com o Praia Clube por conta da pandemia da Covid-19 na temporada 2019/2020. O ápice veio na última edição, mesmo com todas as dificuldades financeiras e de ausência de público.

Com um elenco formado semanas antes do início da Superliga Feminina, o Curitiba Vôlei alcançou a melhor campanha da história. Terminou em sétimo lugar na fase de classificação, com vitórias sobre todos os concorrentes diretos, e jogos de igual para igual contra os favoritos.

A queda nas quartas de final veio após duas derrotas para Osasco. Além disso, Valeskinha ficou de fora das decisões por lesão.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="796406" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]