Envolvidos no quebra-quebra no Couto Pereira são julgados nesta quinta-feira

Narley Resende


Com Lenise Klenk, BandNews FM Curitiba 

Acusados de envolvimento no quebra-quebra do estádio Couto Pereira, em 2009, estarão no banco dos réus nesta quinta-feira (16), em sessão de julgamento que começou às 9h no Tribunal de Júri, em Curitiba. A sessão deve durar o dia todo.

Seis pessoas que invadiram o gramado depois do jogo contra o Fluminense, que resultou no rebaixamento do Coritiba no Campeonato Brasileiro, são acusadas de tentativa de homicídio contra policiais militares. Outros sete réus já foram condenados pelo mesmo crime.

São julgados Adriano Sutil Oliveira, Alan Garcia Barbosa, Gilson da Silva, Reimakler Allan Graboski, Renato Marcos Moreira e Sidnei Cesar de Lima, acusados de tentativa de homicídio com ação dolosa.

Outros sete identificados já foram condenados, mas com penas brandas, por agressão violenta contra três policiais militares: Ricardo Luis Gomyde, Jean Oliver Plinya e Sivéria Koniuchowicz.

No dia 6 de dezembro de 2009, diante de um público de 35 mil pessoas, o Coxa empatou em 1 a 1 e a torcida reagiu de forma violenta. Torcedores invadiram o campo e transformaram o gramado em um campo de batalha.

Policiais também reagiram contra os torcedores com disparos de balas de borracha. Cadeiras foram arrancadas das arquibancadas e lançadas sobre os policiais.

Sete policiais militares e 11 torcedores ficaram feridos. Na época, o Coritiba foi condenado à perda de mando de campo por 30 jogos e a uma multa de R$ 610 mil em valores da época. O Coxa recorreu e teve a pena reduzida para 10 jogos, que foram todos disputados na cidade de Joinville, em Santa Catarina.

O julgamento dos acusados de tentativa de homicídio contra os policiais começa às 9h desta quinta-feira (16) deve levar o dia todo. A sessão começa com os depoimentos de testemunhas e depois os réus são interrogados.

O julgamento prevê ainda o debate entre os advogados de defesa e o Ministério Público para que, então, os jurados possam decidir se condenam ou absolvem os acusados. A pena é arbitrada pelo juiz.

O Tribunal de Júri é composto por sete jurados e a audiência será presidida pelo juiz Tiago Flores Carvalho.

[insertmedia id=”xhM8e0-vyhU”]

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="419536" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]