Na prorrogação, River supera Boca em Madri e é campeão da Libertadores pela quarta vez

Vinicius Cordeiro


O River Plate é tetracampeão da Libertadores da América. O clube derrotou seu maior rival, Boca Juniors, neste domingo (9) por 3 a 1 no estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, na decisão mais polêmica da competição continental. O atacante Benedetto inaugurou o placar, mas Lucas Pratto igualou. Na prorrogação, Quintero e Pity Martínez viraram o placar e garantiram o triunfo do River.

Após o empate por 2 a 2 na Bombonera pelo jogo de ida, o duelo decisivo era para ter acontecido no dia 24 de novembro, mas a torcida do River promoveu atos de violência ao ônibus que levava a delegação do Boca para o estádio Monumental de Nunez. Os jogadores do Boca acabaram sofrendo lesões e se recusaram a atuar naquele dia  apesar da pressão da Confederação sul-americana, que desejava a realização da partida a qualquer custo pela presença do atual presidente da FIFA, Gianni Infantino.

Depois de dias de indecisão sobre onde ocorreria a partida (Buenos Aires foi descartada pela insegurança), a Conmebol anunciou que a capital espanhola iria sediar a partida. Os clubes – torcida e diretoria – se posicionaram contra, mas acataram a definição.

Vale lembrar que essa edição da Libertadores marca a despedida da final dupla. A partir do ano que vem, o torneio terá final única em campo neutro – Santiago receberá a decisão em 2019.

O técnico Marcelo Gallardo se sagrou campeão sem comandar o time do banco de reservas. Com o comandante suspenso, foi Matías Biscay quem trabalhou como treinador na beira do campo. Curiosamente, o mesmo aconteceu em 2015, quando o River foi campeão contra o Tigres, do México.

Apesar da derrota, o atacante Benedetto se tornou o segundo jogador a marcar em todos os jogos das semifinais e finais, igualando o feito de Raúl Vicente Amarilla em 1990, quando defendia o Olimpia.

O jogo

Dentro de campo, o duelo atingiu as expectativas e foi muito disputado fisicamente. Só aos 44 minutos, o placar foi inaugurado. O meia Nández deu ótimo passe para Benedetto. O atacante limpou o zagueiro Maidana e bateu firme para não dar chances ao goleiro Armani.

Na etapa final, o River empatou aos 23 minutos. Nacho Fernández tabelou com Palacios e encontrou Lucas Pratto livre de marcação dentro da área. O atacante completou para o fundo das redes e deixou o confronto em aberto. Ninguém

Na prorrogação, o Boca ficou com um homem a menos: o volante colombiano Wilmar Barrios foi expulso no primeiro minuto. O River passou a controlar o jogo, mas não balançou as redes. Na melhor chance dos 15 minutos iniciais do tempo extra, Pity Martínez  soltou uma bomba que saiu por cima do travessão.

A pressão seguiu e o gol saiu aos três minutos. Depois de uma ótima troca de passes, o meia colombiano Quintero acertou um lindo chute, indefensável. O Boca Juniors passou para o tudo ou nada e acabou sofrendo o terceiro gol no último minuto. Em cobrança de escanteio, com a ida do goleiro Andrada para a área, o River construiu o contra-ataque. Pity Martínez percorreu por metade do campo antes de mandar a bola para o fundo das redes e selar a comemoração alvirrubra.

Previous ArticleNext Article