Flamengo bate Atlético-MG e alivia pressão sobre Barbieri

Folhapress


O técnico Maurício Barbieri ganhou uma sobrevida no Flamengo. Pressionado no cargo, o treinador viu seu time receber o Atlético-MG nesta tarde de domingo (23) e vencer por 2 a 1 no Maracanã. Os gols da partida foram marcados por Willian Arão e Paquetá, pelo Flamengo, e Leonardo Silva, para o Atlético.

Com o resultado, o Flamengo ultrapassa o Grêmio, vai aos 48 pontos e seca o Palmeiras, que joga neste domingo, às 18h, para permanecer na terceira colocação. O Atlético estaciona no sexto lugar com 42 e vê a distância para os concorrentes de cima aumentar para cinco pontos.

Miguel Trauco foi uma das novidades de Maurício Barbieri na escalação do Flamengo e mostrou, já no primeiro minuto, que o treinador fez uma boa escolha. O lateral encontrou Willian Arão livre dentro da área e deu a assistência para o gol relâmpago logo no primeiro minuto. Outro detalhe na jogada foi o drible levado pelo jovem lateral Emerson, o mesmo que falhou e contribuiu para a derrota alvinegra no primeiro turno.

Apesar de empolgar no início, o Flamengo foi perdendo intensidade aos poucos. Aos 13 minutos, Dourado marcou de cabeça, mas teve o gol corretamente anulado por impedimento. Só então o Atlético começou a se organizar e equilibrou a partida. Na bola parada, Leonardo Silva cabeceou forte para empatar. Com poucas chances reais para os dois lados, o primeiro tempo quase terminou com a virada atleticana, mas Diego Alves parou Yimmi Chará após belíssimo lançamento de Maidana.

No início do segundo tempo, o Flamengo voltou a ficar em vantagem no marcador, agora aos oito minutos do segundo tempo. A jogada começou com um erro de Ricardo Oliveira, que demorou a tocar para Chará dentro da área e ainda entregou a bola de graça para Arão. Na sequência do lance, Trauco cruzou na área e Paquetá subiu bem para balançar as redes. 2 a 1.

O Atlético demorou para assimilar o gol sofrido e se organizar em campo. Quando fez, tomou posse do jogo e voltou a atacar com frequência, mas foi inoperante em suas ações. Além da pontaria ruim e falta de repertório, o time mineiro não teve a mesma pegada que os anfitriões que, mesmo acuados, mostraram vontade de sobra para garantirem o triunfo. No último lance do jogo, Réver desviou mal o cruzamento de Cazares, mas contou com a sorte e a bola só tocou a trave.

Previous ArticleNext Article