Paraná tem ano para esquecer, Operário faz história e Londrina bate na trave outra vez

Em divisões diferentes, Paraná, Operário e Londrina fizeram campanhas distintas em 2018, mas vão se encontrar na Série B..

Vinicius Cordeiro - 27 de dezembro de 2018, 13:00

Em divisões diferentes, Paraná, Operário e Londrina fizeram campanhas distintas em 2018, mas vão se encontrar na Série B de 2019. O Tricolor nem chegou a brigar pela permanência na Série A e foi rebaixado com seis rodadas de antecedência. Já o Tubarão chegou perto do acesso à elite do futebol brasileiro, enquanto o Fantasma se sagrou campeão da Série C.

Confira a retrospectiva do ano de cada um dos clubes:

Ano para esquecer

Sem chegar perto de disputar as finais do Campeonato Paranaense e eliminado pelo Sampaio Corrêa na Copa do Brasil, o Paraná tinha como meta lutar pela permanência na Série A. Entretanto, fez uma das piores campanhas da história do Brasileirão. Em 38 jogos, perdeu 23, empatou 11 e venceu apenas quatro partidas. A diferença técnica para os outros 19 clubes foi tão grande que o time paranista quebrou diversos recordes negativos.

O principal deles foi a maior sequência sem triunfos: foram 18 jogos sem vencer - o maior jejum da história do Brasileirão. Curiosamente, o América-MG foi o único freguês paranista, perdendo as duas partidas por 1 a 0. Os mineiros perderam no primeiro turno na Vila Capanema, mais precisamente no dia 22 de julho. Já o returno, o Coelho foi derrotado dentro da Arena Independência no dia 10 de novembro. Ou seja, foram 111 dias sem sentir o sabor de uma vitória.

Com o péssimo desempenho da equipe, a torcida paranista se distanciou e registrou quatro dos cinco piores públicos do Brasileirão. O pior deles foi no empate por 1 a 1 com o Vitória, quando apenas 931 pagantes estiveram no estádio. Já 1.140 pessoas viram o time perder para o Atlético Mineiro por 1 a 0, enquanto 2.228 pagantes foram ao estádio se despedir da Série A no empate por 1 a 1 com o Internacional. Por fim, o quinto pior público (2.239 pagantes) estiveram presentes em mais um empate por 1 a 1, desta vez contra a Chapecoense.

Bruno Batata (centro) comemora o gol do título da Série C. Foto: José Tramontin/OFEC

O destaque de 2018 foi o atacante Dagoberto. Pentacampeão brasileiro, o jogador de 35 anos se tornou a sensação do time comandado por Roberto Fonseca. Ele atuou em 19 jogos, metade do torneio nacional, mas mesmo assim conseguiu marcar 17 gols e ser o artilheiro da Segundona.

Importante na temporada, Dagoberto ainda não definiu se permanecerá no Café, mas o Londrina elaborou um projeto diferenciado para contar com o atleta na próxima temporada.