Indefinição do valor do Paranaense trava planejamento dos clubes

Por Julio Cesar LimaO valor do Campeonato Paranaense para os clubes e a rede que transmite a competição ainda con..

Redação - 07 de novembro de 2016, 17:18

Por Julio Cesar Lima

O valor do Campeonato Paranaense para os clubes e a rede que transmite a competição ainda continuam uma incógnita. A Federação Paranaense de Futebol (FPF) ainda não apresentou alguma proposta para os clubes – mesmo os considerados grandes  - sobre quanto ganharão cada um na competição de 2017. Por força contratual a disputa deverá ter ainda o monopólio da Rede Paranaense de Comunicação (RPC) até 2018, mas depois os clubes poderão estar livres para negociações. O presidente da FPF, Hélio Cury, faz mistérios. “Posso dizer que as coisas estão andando, estamos conversando e vendo as melhores condições”, comentou. Há o risco do valor do campeonato de 2017 valer apenas pouco mais de R$ 6 milhões, quase 50% a menos do que foi pago em 2016.

Segundo ele, o sigilo faz parte da negociação. “Não podemos adiantar valores, por uma questão de sigilo”, avaliou.

Na última edição foram pagos R$ 10 milhões aos clubes, sendo que a dupla Atletiba recebeu, segundo informações no início do campeonato, R$ 2 milhões cada, o Paraná ficou com R$ 800 mil e o Londrina com R$ 600 mil. Já os outros clubes ficaram com R$ 450 mil.

Em Santa Catarina, os valores para os cinco maiores clubes – Joinville, Criciúma, Avaí, Figueirense e Chapecoense – giram em torno de R$ 550 mil, segundo fonte ligada ao futebol catarinense.

No Rio Grande do Sul, a dupla Grenal recebeu cerca de R$ 15 milhões, sendo R$ 7,6 milhões para Inter e Grêmio cada um, o Brasil chegou a R$ 1 milhão por causa da Série B enquanto os clubes menores tiveram  valores aproximados de R$ 600 mil.

O presidente do Foz, Arif Osman, também vê com apreensão o campeonato estadual de 2017. Neste ano o clube recebeu R$ 320 mil de cota. Segundo Osman, o clube espera, juntamente com o J.Malucelli e outras equipes, com exceção do Trio de Ferro e do Londrina, formar um grupo mais forte para negociar os valores das cotas. Precisamos saber quanto teremos para fazermos um bom planejamento. “O presidente Cury (Hélio Cury) está nos representando, tentando negociar um valor mais justo junto à RPC para um valor maior”, comentou.

Osman também não confirma a entrada de outra rede de TV na disputa pela competição, mas acredita que isso é possível. “Como disse, o presidente está representando o futebol paranaense, mas com essa indefinição ficamos à mercê do que a televisão puder nos pagar”, disse.

O gestor do Londrina, Sérgio Malucelli disse que o clube pretende reivindicar mais uma vez um aumento na participação. Com boa campanha na Série B e um título recente, o Londrina espera que haja um escalonamento baseado no ranking do futebol.

“Os clubes de Série A receberiam um percentual maior, os de Série B outro e assim por diante, pois seria uma fórmula mais justa de valorizar os clubes”, afirmou.

Malucelli afirmou que os valores serão debatidos no próximo arbitral e que não houve contato por ninguém, tanto da federação quanto de outra emissora (Esporte Interativo) na tentativa de negociações.

Nesse caso, ao menos em relação às cotas e ao valor do Campeonato os planejamentos dos clubes permanecem parados.