Internacional é o segundo time da Série A a desligar técnico com Covid-19; lembre os casos

Redação

Técnico demitido Covid-19 Internacional Grêmio

O Internacional demitiu o técnico Miguel Ángel Ramírez enquanto o espanhol se recupera da Covid-19. Esse é o segundo caso no futebol brasileiro de treinador em meio à recuperação do coronavírus. Há algumas semanas, o Grêmio também desligou Renato Portaluppi dias após o teste positivo.

A situação de Ramírez ficou insustentável dentro do clube após a queda precoce na terceira fase da Copa do Brasil com derrota no Beira-Rio para o Vitória por 3 a 1. O técnico estava isolado devido à Covid-19 e não ficou na beira do campo no jogo de despedida.

Em 22 jogos, foram 11 vitórias, quatro empates e sete derrotas. Sob o comando do espanhol, o Colorado perdeu a decisão do Campeonato Gaúcho para o rival Grêmio e se classificou em primeiro lugar do seu grupo para as oitavas de final da Libertadores. A pressão aumentou após a goleada sofrida no último final de semana por 5 a 1 para o Fortaleza e piorou após a eliminação na Copa do Brasil.

Renato Portaluppi também vinha muito pressionado no comando do Grêmio depois da derrota na final da Copa do Brasil para o Palmeiras e da queda rendimento no final da temporada de 2020. Ele foi mantido no cargo, mas não resistiu a eliminação ainda na fase prévia da Libertadores para o Independiente Del Valle.

Renato testou positivo para a Covid-19 véspera da viagem para o Equador, onde o Grêmio viajou para a primeira partida contra o Del Valle – a partida foi transferida posteriormente para o Paraguai após mais casos do coronavírus na delegação gremista. Ou seja, o treinador não comandou o time nas partidas finais.

Na nota de despedida, o Grêmio afirmou que a decisão foi em “comum acordo”. “O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense comunica o desligamento de Renato Portaluppi, em comum acordo com a direção, do comando técnico do Clube”, diz trecho do comunicado.

ESPECIALISTA ALERTA SOBRE DEMISSÃO DE TÉCNICOS COM COVID-19

Em entrevista ao blog Lei do Campo, do UOL, o advogado especializado em direito trabalhista, Theodoro Chermont, afirmou que o contrato não pode rescindir enquanto o profissional estiver doente. “Nenhum empregado afastado do trabalho por doença, ainda que não seja doença profissional, poderá ser despedido. O contrato de trabalho ficará suspenso, e enquanto durar está suspensão, é vedada a rescisão”, disse.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="769669" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]