Jorge Kajuru vai ao STF por abertura de CPI do Esporte

O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) entrou com pedido de mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal para que o preside..

Carlos Petrocilo - Folhapress - 06 de setembro de 2019, 20:31

Pedro França/Agência Senado
Pedro França/Agência Senado

O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) entrou com pedido de mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal para que o presidente da casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), abra imediatamente a CPI (comissão parlamentar de inquérito) do Esporte.

O caso ainda não tem um relator, será definido por sorteio a partir da segunda (9). O ministro poderá negar o pedido ou determinar que Alcolumbre instale a CPI.

O advogado do senador, Rogério Paz Lima, protocolou o pedido na tarde desta sexta (6) - um mês depois que o senador havia conseguido assinatura de 50 senadores para criação da CPI do Esporte. Lima escreve que o senador, juntamente de outros 41 parlamentares, solicitou que Alcolumbre instalasse a comissão para investigar a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e COB (Comitê Olímpico Brasileiro).

No requerimento, Kajuru pediu que seja criado uma CPI de 11 titulares e 7 senadores "para investigar a prestação de contas referente ao período de 2008 a 2018, de convênios, contratos, patrocínios e parcerias firmados entre a Administração Pública Federal, direta e indireta" com as entidades.

O trabalho terá duração de 180 dias e um orçamento de R$ 110 mil. O senador afirma que, apesar de a organização do esporte começar de forma privada, por meio de clubes e associações, o Estado acaba concedendo benesses a alguns e se furtou do dever de fiscalizar gestões.

Essa seria a segunda CPI no esporte realizada nos últimos cinco anos. Em 2015 houve a do Futebol, do senador Romário (PSB-RJ), com o objetivo de apurar denúncias sobre a CBF e o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL). Mas, segundo Kajuru, "a bancada da bola agiu e nenhum esclarecimento real foi dado à sociedade brasileira."

Dessa vez, o senador acusa Alcolumbre de ceder aos 'lobistas da CBF'. Apesar de o requerimento ter colhido assinatura da maioria no Senado, a CPI precisa ser acatada pelo presidente.

"Dias depois que conseguimos assinaturas para pedir a CPI, o Senado recebeu uns seis lobistas da CBF. O Davi me chamou, pediu sigilo e disse para eu deixar a investigação sobre a CBF para depois. Pediu para começar pelo COB ", disse o senador à reportagem.

A reportagem entrou em contato com assessorias de imprensas de Alcolumbre e da CBF, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.