Athletico: Petraglia reclama de criação da liga do futebol brasileiro

O presidente do Athletico, Mario Celso Petraglia, criticou a forma em que foi criada a Liga do Futebol Brasileiro (Libra)

Redação - 03 de maio de 2022, 16:07

(Gustavo Oliveira/Athletico)
(Gustavo Oliveira/Athletico)

O presidente do Athletico, Mario Celso Petraglia, criticou a forma em que foi criada a Liga do Futebol Brasileiro (Libra). Em reunião na manhã desta terça-feira (03), representantes de clubes das duas primeiras divisões do Campeonato Brasileiro assinaram um documentação para a criação do grupo, mas nem todos os presentes concordaram com a decisão.

Representado pela Codajas Sports Kapital, o grupo formado por Corinthians, Flamengo, Palmeiras, Red Bull Bragantino, Santos e São Paulo assinou o documento. Cruzeiro e Ponte Preta, hoje na Série B, também assinaram.

Já os integrantes do Movimento Futebol Forte, com Athletico, Coritiba, América-MG, Atlético-GO, Avaí, Ceará, Cuiabá, Fortaleza, Goiás e Juventude, pediu mais tempo e novos encontros para definir algumas situações antes de criar a Libra.

Após a reunião, Petraglia criticou o grupo que já assinou o documento da nova liga. "Fomos surpreendidos com a pauta de reunião. A intenção seria uma conversa entre os clubes para ajustar. Aí vieram com os estatutos prontos e que os seis assinariam, e quem quisesse assinar também que ficasse à vontade. Eu nem estudei o estatuto", afirmou.

O presidente ainda disse que vai ouvir os conselheiros antes de decidir se o Athletico vai entrar na liga. "O Athletico vai ouvir o seu Conselho e, se estiver de acordo com os nossos princípios, assinaremos. Desde que fique claro que a fundação será dos 20. E não iremos a reboque dos seis. O que nós queremos é dividir melhor, mais justo, e não o Flamengo ter 70 vezes o valor do Athletico-PR em pay-per-view. 70 vezes na mesma competição. Que joguem sozinhos", comentou.

QUAL A RECLAMAÇÃO DO ATHLETICO SOBRE A CRIAÇÃO DA LIGA?

Como Mario Celso Petraglia disse na entrevista, a principal reclamação é na divisão do dinheiro dos direitos de transmissão. A proposta inicial da Codajas Sports Kapital era de divisão de 40% com valores fixos, 30% pelo desempenho no Brasileirão e outros 30% por audiência. Porém, o Movimento Futebol Forte prefere que a divisão seja feita em 50, 25 e 25.

Atualmente, a divisão proposta pela Codajas já é feita no contrato com os 20 clubes com a Globo para a exibição dos jogos em TV aberta.