Presos acusados de tentativa de homicídio contra torcedor do Coritiba

Narley Resende


Dois jovens, de 21 e 23 anos, integrantes da Torcida Organizada do Atlético Paranaense, foram presos na manhã desta sexta-feira (01) no bairro Alto Boqueirão, durante a segunda fase da “Operação Estratagema” desencadeada pela Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe).

> Árbitro relata ‘cusparada’ e Atlético-PR pode ser denunciado ao STJD
> Atlético quer extinguir Fanáticos e outras organizadas

A dupla é suspeita de tentativa de homicídio e roubo majorado contra um torcedor do Coritiba, em março deste ano. A operação tem por objetivo combater a violência praticada por alguns grupos ou comandos de torcidas organizadas.

Durante a ação foram cumpridos seis mandados de prisão temporária e sete mandados de busca e apreensão, todos na região sul de Curitiba, sendo dois homens presos e quatro foragidos. Uma espingarda, três celulares e diversas camisetas de torcidas organizadas rivais foram apreendidas na operação.

De acordo com a polícia na época dos fatos os suspeitos armaram uma emboscada para dois torcedores do Coritiba que se dirigiam a um jogo na Arena da Baixada. Um deles conseguiu escapar e o outro foi levado até uma rua sem saída, onde foi agredido e roubado.

Segundo o delegado-titular da especializada, Clóvis Gavão Gomes, as investigações duraram 90 dias. “Todos os alvos desta fase da operação pertencem a um grupo bastante violento, denominado “Zona Sul”, da Torcida Organizada do Atlético. O grupo age do mesmo “modus operandi” – provocando emboscadas a torcedores de times rivais”, afirma o delegado.

O delegado ainda ressalta que as investigações continuam com o intuito de localizar e prender os demais suspeitos de envolvimento nas agressões e roubo majorado contra o torcedor do Coritiba. “Quatro dos suspeitos não estavam em suas residências durante o cumprimento dos mandados e, a partir de agora, ficam sendo considerados foragidos da Justiça”, finaliza.

Todos responderão por tentativa de homicídio, roubo majorado e associação criminosa. Se condenados poderão pegar mais de 11 anos prisão. A dupla está presa na Demafe, onde aguarda à disposição da Justiça.

O nome da operação faz alusão ao uso de estratégia e planejamento para neutralizar o oponente que a Polícia Civil realiza em suas operações.

Previous ArticleNext Article