Menino que invadiu treino da Espanha em 2014 e ganhou blusa de Piqué luta para ser jogador

A passagem da Seleção da Espanha por Curitiba em 2014 deixou para sempre uma marca na vida do jovem Vinicius Moura, hoje..

BandNews FM Curitiba - 19 de junho de 2018, 21:55

Foto: Reprodução Facebook Vinicius Moura
Foto: Reprodução Facebook Vinicius Moura

A passagem da Seleção da Espanha por Curitiba em 2014 deixou para sempre uma marca na vida do jovem Vinicius Moura, hoje com 19 anos. Atualmente jogador de dois times amadores, o garoto ainda luta por uma oportunidade de treinar em um time profissional.

Em 2014, o menino então com 15 anos virou manchete em vários países ao invadir o gramado do CT do Caju, no treino da Espanha, em Curitiba, para pedir um autógrafo ou conseguir qualquer coisa de lembrança daquele momento. Levado pelo tio ao treino da Fúria para a Copa 2014, o jovem passou por debaixo da grade, driblou os seguranças e conseguiu chegar até o zagueiro Piqué. Impressionado, o jogador espanhol tirou a jaquete e presenteou o menino.

"Fui com meu tio assistir ao treino. Eu passei por baixo da grade e cheguei até o Piqué. Ele tirou a blusa e me deu", lembra.

A ousadia de Vinicius Moura deu a ele uma bolsa para treinar na escolinha de futebol do Atlético Paranaense. Depois disso, ele foi para São Paulo, jogar pelo Sub-20 do São Bernardo. No entanto, com a derrocada financeira da equipe, Vinicius não conseguiu permanecer no time que foi desmontado.

Ele acredita que o tempo e a falta de um padrinho colocaram obstáculos no caminho do sonho. "Treinei até os 17 anos, aí passei da idade. Agora estou trabalhando, jogando o campeonato amador de Curitiba", disse.

Vinicius joja no Grêmio Recreativo Ipiranga, time da suburbana de Curitiba, e nos Morenos, de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana. O vice-presidente do Grêmio Ipiranga conta que Vinicius é destaque na suburbana.

"Tá jogando a Copinha pra gente e é um bom jogador. Jogamos contra o Urano e ele fez três gols. Já tem seis gols nesta temporada. Único problema é a parte física, ele é alto e magro, mas a parte técnico é muito boa. Ele atua do meio pra frente, tem muita velocidade", relatou.

Para o dirigente do clube de bairro, a falta de apoio financeiro deixa muitos meninos como Vinicius de fora de qualquer oportunidade de seguir a carreira profissional.

"Primeiro falta apoio. Os moleques tentam, se você não for apadrinhado é complicado. Tem muito menino bom na periferia, mas sem apoio é difícil. A história dele é como a da maioria. Como ele tem centenas e milhares na suburbana", afirmou.

Vinicius é o filho mais velho da família, tem quatro irmãs. Ele começou a jogar futebol na rua, como a maioria meninos talentosos no Brasil. Hoje morador da região metropolitana, mas nascido e criado na Vila Rio Negro, no bairro Sítio Cercado, em Curitiba, o garoto não desistiu do sonho e guarda até o hoje a jaqueta do ídolo espanhol para não deixar que o objetivo seja esquecido.