Nos pênaltis, Atlético-PR passa pelo Ceará e segue na Copa do Brasil

Roger Pereira



A participação do Atlético-PR na Copa do Brasil de 2018 está marcada pela emoção. Depois do inacreditável 5 a 4 contra o Tubarão na segunda fase, agora, o Furacão precisou de 14 cobranças de pênalti para passar pelo Ceará e garantir classificação para a quarta fase da competição.

Depois de um empate em 0 a 0 na Baixada, quando jogou grande parte do jogo com um jogador a menos e não pôde colocar em prática o sistema de jogo aplicado pelo técnico Fernando Diniz, o Atlético entrou em campo no Castelão precisando da vitória para passar de fase.

A equipe paranaense até começou melhor, chegou a ter 70% da posse de bola nos primeiros 15 minutos de jogo e conseguiu abrir o placar com um golaço de Guilherme. Aos 14 minutos, depois que Ribamar avançou na área e dividiu com o goleiro cearense, a bola sobrou na ponta para Carleto, que cruzou para o meia atleticano acertar um belo sem-pulo para fazer 1 a 0.

Depois do gol, no entanto, só deu Ceará. A equipe atleticana recuou demais e o time da casa passou a marcar pressão, anulando as jogadas de saída de bola do Furacão. De tanto pressionar (chegou a conseguir oito escanteios no primeiro tempo) o Ceará chegou ao empate aos 33 minutos. Pio cruzou na área, Arthur escorou no segundo pau, para Felipe Azevedo, de cabeça, empatar.

O Ceará continuou melhor no segundo tempo e o Atlético parecia sentir o pouco ritmo de jogo, foi a quarta partida oficial disputada pela equipe principal do Furacão, tanto que as três substituições atleticanas (Wanderson, Jonantha e Raphael Veiga) foram realizadas por contusões musculares. No entanto, em raros contra-ataques, o Furacão também levou perigo ao gol do Ceará.

Com o passar dos minutos na etapa final, as equipes foram se acomodando e se conformando com os pênaltis, diminuindo as jogadas de ataque de ambos os lados. Nos acréscimos, no entanto, o Furacão teve a melhor chance para definir o jogo. Carleto cobrou falta com força, no cantinho. Éverson espalmou e Lucho Gonzales pegou o rebote, de cabeça, de frente para o gol, mas jogou por cima.

Com o empate, a decisão foi para os pênaltis. E, logo na segunda cobrança, o Furacão ficou em vantagem, quando Felipe Azevedo chutou por cima do gol. Guilherme, Lucho, Paulo André e Zé Ivaldo converteram os quatro primeiros pênaltis atleticanos e Carleto foi fazer a última cobrança, que garantiria a classificação. Mas Éverson acertou o canto e defendeu, prolongando a disputa. Foi só na sétima cobrança de cada time que Santos defendeu o chute de Wescley e Pavez fez o gol da classificação atleticana, o último classificado para a quarta fase da Copa do Brasil.

Previous ArticleNext Article
Roger Pereira
Repórter do Paraná Portal