DEMAFE indicia 37 torcedores do Paraná Clube que invadiram o campo na Vila Capanema

Todos serão indiciados pelo artigo 41-B, do Estatuto do Torcedor, que fala em "promover tumulto, praticar ou incitar a violência"

Pedro Melo - 01 de julho de 2022, 17:45

(Geraldo Bubniak/AGB)
(Geraldo Bubniak/AGB)

A Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (DEMAFE), da Polícia Civil, identificou e responsabilizou 37 torcedores do Paraná Clube pela invasão e atos de violência no gramado da Vila Capanema. O caso aconteceu em 26 de fevereiro, quando o Tricolor perdeu para o União por 3 a 1 e caiu para a segunda divisão do Campeonato Paranaense.

Todos serão indiciados pelo artigo 41-B, do Estatuto do Torcedor, que fala em "promover tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos". A pena é prisão é de um a dois anos, além de multa.

No final de maio, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o Paraná Clube em cinco jogos com portões fechados e multa de R$ 35 mil.

As cinco partidas na Vila Capanema sem a presença de público serão apenas na segunda divisão do Campeonato Paranaense de 2023. As partidas válidas pela Série D continuam com a torcida paranista nas arquibancadas.

RELEMBRE O QUE ACONTECEU NA VILA CAPANEMA DURANTE O JOGO DO PARANÁ CLUBE

Toda a confusão aconteceu durante a derrota do Paraná Clube por 3 a 1 sobre o União, resultado que culminou na queda pela segunda vez na história para a segunda divisão do Campeonato Paranaense.

Aos 41 minutos do segundo tempo, alguns jogadores invadiram o gramado da Vila Capanema e até trocaram socos e pontapés com o lateral-direito André Krobel, o volante Moisés Gaúcho e o atacante Tadeu. Os jogadores conseguiram sair da briga e rapidamente correram para o vestiário.

Os policiais tiveram que entrar em ação e utilizaram bala de borracha e bomba de efeito moral para dispersar os torcedores. Somente depois da ação policial que os invasores voltaram para as arquibancadas.