Paraná Clube: presidente de organizada morre após ser pisoteado por cavalo da PM

Mauro Machado Urbim foi pisoteado por um cavalo da Polícia Militar (PM) no intervalo da partida entre Paraná Clube e FC Cascavel, no último sábado (30)

Pedro Melo - 01 de agosto de 2022, 22:23

(Divulgação)
(Divulgação)

O presidente da torcida organizada Fúria Independente, Mauro Machado Urbim, morreu na noite desta segunda-feira (01). Ele foi pisoteado por um cavalo da Polícia Militar (PM) no intervalo da partida entre Paraná Clube e FC Cascavel, no último sábado (30), pela segunda fase da Série D.

O torcedor paranista estava internado em estado grave no Hospital do Trabalhador, em Curitiba, desde sábado. Segundo a Fúria Independente, o óbito aconteceu durante a noite.

Em entrevista ao Paraná Portal, o delegado Luiz Carlos de Oliveira, da Demafe (Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos), afirmou que o inquérito será concluído em 30 dias. "As investigações vão ser iniciadas e posteriormente vão concluir o inquérito em 30 dias", disse.

A Fúria Independente se manifestou pela primeira vez nas redes sociais no domingo (31) e acusou o Regimento de Polícia Montada da Polícia Militar do Paraná de "forma truculenta e covarde". "Sem qualquer necessidade, de forma truculenta e COVARDE a Polícia Militar, com o seu Regimento de Polícia Montada, pisoteou o nosso presidente Mauro Machado Urbim", diz trecho da nota.

"Em momento algum houve confusão. Ou seja, NADA justifica a ação violenta e criminosa da Polícia Militar. Além de que, nada justificaria atropelar com um CAVALO e pisotear a cabeça de qualquer cidadão", acrescenta a torcida organizada do Paraná Clube.

A diretoria paranista também cobrou da Polícia Militar uma investigação para apurar o caso. "Os seus Conselhos (Deliberativo, Gestor, Consultivo e Fiscal) solicitam à Polícia Militar do Estado do Paraná que seja feita apuração célere, completa e detalhada do ocorrido com o conselheiro Mauro Machado Urbim", postou. "Somente com o esclarecimento dos fatos conseguiremos evitar generalizações, atribuir justamente eventuais erros ou culpas, determinar medidas de prevenção e, principalmente, trazer para dentro e fora dos estádios a paz que precisamos para que tragédias não mais se repitam", complementou.

POSICIONAMENTO DA POLÍCIA MILITAR SOBRE O CASO DO TORCEDOR DO PARANÁ CLUBE

Em nota oficial, a Polícia Militar do Paraná afirmou que houve uma tentativa de invasão de torcedores no setor visitante da Vila Capanema por cerca de 80 torcedores da organizada do Paraná Clube.

A partir disso, "as equipes realizaram formação de linha para impedir a passagem desses torcedores, orientando-os para que retornassem, no entanto, insistindo no intento de invasão, tornaram-se hostis. Objetivando manter a ordem e principalmente preservar a integridade dos torcedores do Cascavel, as equipes progrediram na tentativa de persuasão ao recuo, os quais retornaram ao interior do Estádio".

A PM ainda complementa que "após repelir a ação, os policiais constataram dois torcedores caídos, em que um deles imediatamente levantou e o outro permaneceu desacordado. Imediatamente foram prestados os primeiros socorros de urgência, e acionado o Corpo de Bombeiros, que prontamente deu continuidade ao atendimento e encaminhou o ferido ao Hospital do Trabalhador".

E também afirma que "será instaurada pela Corporação, uma Sindicância para apurar o ocorrido, trazendo à lume demais informações e subsídios ensejadores de eventuais providências pertinentes".