Paraná Clube quer usar início do Paranaense como preparação para a Copa do Brasil

O Paraná Clube sonha com uma temporada de reconstrução e os primeiros desafios em 2022 são o Campeonato Paranaense e a C..

Pedro Melo - 06 de janeiro de 2022, 14:34

(Oscar Felipe/Paraná Clube)
(Oscar Felipe/Paraná Clube)

O Paraná Clube sonha com uma temporada de reconstrução e os primeiros desafios em 2022 são o Campeonato Paranaense e a Copa do Brasil. Apesar do longo período de preparação, o técnico Jorge Ferreira quer utilizar as primeiras rodadas do estadual como preparação para a estreia na competição de mata-mata.

"Ano passado o calendário foi muito complicado no começo da temporada, o início do Campeonato Paranaense vai nos ajudar e estaremos mais preparados para esse jogo da Copa do Brasil", afirmou o treinador paranista, em entrevista coletiva.

Em 2021, o planejamento era o mesmo, mas o Tricolor estreou diretamente na primeira fase da Copa do Brasil e perdeu para o Cianorte por 1 a 0. Os jogos do estadual contra FC Cascavel e Toledo, que seriam antes do mata-mata, foram adiados por conta do aumento de casos da Covid-19.

Um ano depois, o Paraná Clube vai começar a temporada no clássico com o Athletico, no dia 23, às 16h, na Arena da Baixada. "Vai ser um clássico fora de casa, mas como o Vinicius Kiss disse nessa semana: vai ser nosso cartão de visitas, para mostrarmos o nosso trabalho. Ao mesmo tempo que é um desafio, é aquele jogo que nos motiva para apresentar o nosso trabalho que vem sendo feito todos os dias e ter um bom desempenho", declarou o técnico.

PARANÁ CLUBE DEVE DISPUTAR TRÊS AMISTOSOS ANTES DA ESTREIA NO PARANAENSE

Antes da estreia no Campeonato Paranaense, o Paraná Clube pretende realizar até três jogos-treinos. Para Jorge Ferreira, os testes são importantes para observar o elenco. "É fundamental não só para observar o coletivo, mas também a oportunidade para que cada jogador possa mostrar o seu futebol aqui no Paraná. No primeiro momento, vamos dar preferência para os jogadores que estão há mais tempo com a gente. Os que chegaram depois, precisam de mais tempo de preparação na parte física e de modelo de jogo que estamos aplicando no dia-a-dia", afirmou.