Pela primeira vez na Venezuela, Atlético-PR encara o Caracas pelas oitavas das Sul-Americana

Pela primeira vez em 94 anos de história, o Clube Atlético Paranaense vai disputar, nesta quarta-feira, uma partida na V..

Roger Pereira - 19 de setembro de 2018, 16:49

Foto: Rodolfo Buhrer &#124 La Imagem
Foto: Rodolfo Buhrer &#124 La Imagem

Pela primeira vez em 94 anos de história, o Clube Atlético Paranaense vai disputar, nesta quarta-feira, uma partida na Venezuela. O Furacão encara o Caracas, às 19h30, pela partida de ida das quartas de final da Copa Sul Americana.

Vindo de uma grande classificação diante do Peñarol, com vitórias em Curitiba e no Uruguai, o Atlético precisa quebrar a série de três derrotas consecutivas fora de casa para trazer um bom resultando na bagagem. O técnico Tiago Nunes aposta em uma partida complicada.

"É um duelo bem complicado. A equipe do Caracas, quando joga em seus domínios, é muito forte. Compete muito e tem jogadores de muita força, características marcantes do futebol sul-americano”, avaliou. "Eles fazem um jogo muito ‘vertical’, têm muita velocidade em suas ações. É uma equipe também com uma bola parada ofensiva muito forte”, acrescentou.

Para o profissional do Rubro-Negro, a equipe atleticana precisa estar atenta para sair dos primeiros 90 minutos com um bom resultado. "Sabemos que precisaremos ter muitos cuidados defensivos e um equilíbrio muito grande para que possamos sair aqui da Venezuela com um resultado positivo. Precisaremos de um jogo de concentração e de imposição física”, disse. "Viemos aqui para buscar um resultado positivo e tentar vencer, mas com os cuidados necessários de quem não pode esquecer que o duelo só termina em Curitiba”, complementou.

Na Conmebol Sul-Americana, o gol marcado como visitante é critério de desempate. "Seria muito importante fazer um gol. Mas temos que também entender que, se não sofrermos gols no primeiro jogo, temos condições de classificar jogando em casa”, concluiu Tiago Nunes.

Inscritos na competição a partir desta fase, o volante Wellington e o atacante Rony, estão à disposição do treinador. Nos treinos na Venezuela, Tiago Nunes indicou que repetirá o time que venceu o Fluminense no domingo, promovendo apenas a entrada de Marcelo Cirino no ataque. Assim, Marcinho deve ficar como opção no banco.