Polícia busca paradeiro do técnico Marcelo Cabo

 Colaboração Leopoldo Scremin“Estamos passando por um momento de muita dor e dificuldade”, estas foram as pa..

Jordana Martinez - 16 de janeiro de 2017, 17:04

 

Colaboração Leopoldo Scremin

“Estamos passando por um momento de muita dor e dificuldade”, estas foram as palavras de Adson Batista, diretor de futebol do Atlético Goianiense em entrevista coletiva promovida pela equipe para falar a respeito do desaparecimento de Marcelo Cabo, que na madrugada do domingo deixou seu apartamento sem celular ou documentos e está sem um paradeiro confirmado até a tarde de hoje (16).

Marcelo comandou a equipe no amistoso contra o Gama/DF e se dirigiu para casa. Porém só chegou na mesma às 2h30 da madrugada de domingo, deixando o local aproximadamente meia hora depois em seu veículo Pálio Attractive branco com paradeiro desconhecido.

"É um cara muito discreto, por isso muito nos estranha. Ele não tem problema de depressão, está com a saúde plena, o que nos intriga”, disse o tenente-coronel Urzêda, que ao lado do Delegado Valdemir Pereira. “Como ele saiu de casa sem carteira e celular, ele pode ter passado mal, alguém levado para hospital. Trabalhamos nessa via também, mesmo que esteja com a saúde plena".

A primeira pessoa que notou a falta do técnico foi seu auxiliar Rodolfo Oliveira, que reside no mesmo prédio que Cabo.

O Atlético Goianiense anunciou o desaparecimento em seus perfis nas redes sociais logo após comunicar o desaparecimento na Delegacia Estadual de Investigações Criminais – DEIC –. O diretor de futebol Adson Batista estava visivelmente emocionado durante a coletiva que o clube promoveu, e entre outras coisas relatou que a família de Marcelo, que vive no Rio de Janeiro já está a caminho de Goiânia.

"Sentimento muito difícil. É uma situação difícil de absorver, um cara próximo demais. É uma situação muito tensa, sem condição até de falar, mas esperar que Deus ilumine e termine da melhor maneira possível”, disse o emocionado Batista. “Fiquei sabendo hoje pela manhã. Hoje de manhã não apareceu para o trabalho. Fomos checar primeiro, a gente foi buscar todas as possibilidades e elas foram se esgotando. Checamos IML (Instituto Médico Legal), hospitais, depois que fizemos tudo isso comunicamos à imprensa".

Entre as linhas de investigação estão desde sequestro até possíveis maus-súbitos. O coronel Urzêda relatou que nas buscas do interior da casa foi sentida a falta de seu cartão de débito, que depois de contato com o banco não foi utilizado nenhuma vez após o desaparecimento.

Marcelo Cabo chegou ao Atlético Goianiense em maio de 2016 e foi responsável direto pelo título do Dragão no Campeonato Brasileiro da série B de 2016. Com 51 anos o treinador é casado e tem três filhos.