Presidente do Atlético-PR defende meia Lucho González sobre acusação de tentativa de homicídio

Francielly Azevedo


O presidente do Conselho Administrativo do Atlético-PR, Luiz Sallim Emed, se pronunciou pela primeira vez sobre o episódio envolvendo o ex-meia atleticano Lucho González. O jogador foi acusado pela esposa de tentativa de homicídio. O caso veio à tona na semana passada.

O vídeo do pronunciamento, com pouco mais de dois minutos, foi publicado no site oficial do clube. Nele, Sallim demonstrou apoio ao atleta e disse que foi pego de surpresa. “Nesse período que o Lucho passou conosco, ele sempre demonstrou ser uma pessoa correta, ética, honrada. O que acabou acontecendo pegou todos nós de surpresa. Felizmente essa situação não tem nenhuma verdade e nós podemos dizer o quanto de carinho e solidariedade precisamos repassar ao Lucho e a sua família, em especial aos seus filhos”, disse.

O presidente também reforçou que o clube também continuará oferecendo suporte no âmbito jurídico. “É importante relatar que o Atlético tem dado e vai continuar oferecendo todo o apoio necessário, jurídico, psicológico e humanitário. É isso que a gente deseja sempre em nome da verdade. E o Lucho demonstrou conosco e por todos os locais por onde passou essa pessoa espetacular, bom pai, bom atleta e cidadão”, completou.

 

O caso

Na última quinta-feira (14), a esposa de Lucho, Andreia da Silva Marques González, acusou o jogador argentino de tentativa de homicídio. O caso teria acontecido em Curitiba, no dia 8 de dezembro. A vítima afirmou que o meia tentou matá-la na frente dos filhos e cortou os pulsos dela. A esposa garante que recebeu empurrões e esganadura, tendo como sequelas um corte no braço esquerdo, hematomas nas pernas e dores na costela.

Andreia chegou a registrar queixa na polícia e declarou as autoridades que foi ameaçada de morte e agredida verbalmente pelo jogador. De acordo com o relato, o desentendimento teria ocorrido em função da posse dos passaportes de Lucho e dos filhos do casal (um menino de sete e uma menina de dois anos).

Após a denúncia, Andreia conseguiu uma medida protetiva de urgência, baseada na Lei Maria da Penha, impedindo a aproximação de Lucho a uma distância miníma de 500 metros, incluindo espaços públicos. Além disso, Lucho ficou proibido de chegar perto dos filhos.

O outro lado

Em resposta as acusações, Lucho garantiu que não agrediu a esposa, apenas tentou impedi-la de uma tentativa de suicídio. O meia disse que Andreia sofre de depressão e faz uso de medicamentos controlados.

Confira o pronunciamento na íntegra:

[insertmedia id=”LbEFKGTwWqA”]

 

 

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.