Mensagens complicam situação de empresária que ajudou Ronaldinho Gaúcho

Mensagens e gravações entregues à Justiça complicaram a situação da empresária Dalia López, que teria levado os document..

Redação - 09 de março de 2020, 08:03

Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Mensagens e gravações entregues à Justiça complicaram a situação da empresária Dalia López, que teria levado os documentos falsos a Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto de Assis. Os documentos demonstram que a esposa do empresário Wilmondes Sousa Lira seria a pessoa que teria se encarregado de produzir e confeccionar os documentos para os brasileiros.

DOCUMENTO DE RONALDINHO E IRMÃO FORAM OBTIDOS ILEGALMENTE POR EMPRESÁRIA

Em sua edição desta segunda-feira (9), o jornal ABC Color revelou parte do conteúdo dessas mensagens.  As mensagens de WhatsApp enviadas por López a Oliveira mostravam fotos dos documentos prontos e textos em que comemorava sua influência junto às autoridades que confeccionam passaportes.

Ambos foram obtidos ilegalmente, sem os requisitos que são pedidos a qualquer cidadão paraguaio, entre eles, os de comparecer presencialmente no órgão emissor e apresentar uma documentação específica.

As revelações complicam ainda mais a situação de Dalia López, que já tem pedido de prisão decretado. Além do caso dos dois brasileiros, ela é investigada por lavagem de dinheiro.

Segundo informou à Folha de S.Paulo seu advogado, Marcos Estigarribia, Lópezse entregaria ainda nesta segunda-feira (9) à Justiça.

EX-JOGADOR É DETIDO NO PARAGUAI

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Roberto Assis foram detidos sob suspeita de usarem documentos falsos para entrar no país. A informação foi divulgada na noite de quarta-feira (4), inicialmente por jornais locais, como o La Nación e o ABC Color, e posteriormente confirmada por autoridades paraguaias.

Ronaldinho Gaúcho  viajou ao Paraguai para o lançamento do livro “Gênio da Vida” e participaria também de eventos beneficentes organizados pela Fundação Fraternidade Angelical. Ele havia sido recebido com festa na chegada ao país, incluindo escolta policial no aeroporto.

De acordo com relato do comissário Gilberto Fleitas ao jornal ABC Color, as autoridades tiveram conhecimento de que cidadãos brasileiros ingressaram no país com documentos paraguaios, o que chamou a atenção. Em contato com o departamento de identificações, não foram encontrados registros de seus dados no sistema, o que motivou a busca no hotel.

Fleitas afirmou nesta quinta à rádio ABC Cardinal que Ronaldinho e Assis disseram ter recebido os documentos falsos do empresário Wilmondes Sousa Lira, de 45 anos, que está detido na sede da investigação de delitos da polícia.

*As informações são da Folhapress