Coritiba perde para o Santos e está eliminado da Copa do Brasil

Coritiba tinha a vantagem da vitória no jogo de ida por 1 a 0, mas perdeu para o Santos por 3 a 0 e está eliminado na terceira fase da Copa do Brasil

Pedro Melo - 12 de maio de 2022, 23:22

(Felipe Dalke/Coritiba)
(Felipe Dalke/Coritiba)

O Coritiba não teve uma noite feliz, perdeu para o Santos por 3 a 0, na Vila Belmiro, e está eliminado da Copa do Brasil. O Coxa tinha a vantagem da vitória no jogo de ida no Couto Pereira por 1 a 0, mas não segurou a vantagem e encerrou a participação na terceira fase.

A queda aumenta o jejum alviverde que completou sete anos sem chegar às oitavas de final da Copa do Brasil. A última vez foi em 2015, quando caiu para o Grêmio justamente nas oitavas. Desde então, foram três eliminações na terceira fase (2018, 2021 e 2022), duas na segunda fase (2016 e 2017) e outras duas logo na estreia (2019 e 2020).

Com a queda na competição de mata-mata, o Coritiba tem apenas o Campeonato Brasileiro até o final da temporada. O Verdão é o 10º colocado, com sete pontos, apenas três de desvantagem para o vice-líder Santos. O próximo jogo é no domingo (15), às 17h30, contra o América-MG, no Couto Pereira.

CORITIBA APOSTA NA MARCAÇÃO, MAS NÃO RESISTE A PRESSÃO DO SANTOS E CAI NA COPA DO BRASIL

Sem Igor Paixão, o técnico Gustavo Morínigo reforçou o sistema de marcação com a entrada de Guillermo de los Santos na lateral-direita e Matheus Alexandre na ponta-direita. E a estratégia funcionou durante o primeiro tempo. O Santos teve muito mais posse de bola, mas deu pouco trabalho para o goleiro Alex Muralha.

Aos 20 minutos, Marcos Leonardo chegou a abrir o placar para a equipe santista, mas o árbitro anulou por impedimento. E aos 23, a melhor chance da primeira etapa. Ricardo Goulart levantou a bola na área, Léo Baptistão apareceu de frente para o gol e cabeceou por cima.

Do outro lado, o Coxa apostou no contra-ataque e encontrou dificuldades para passar pelo zagueiro Eduardo Bauermann. O único momento de perigo foi nos acréscimos, quando Matheus Alexandre errou o cabeceio da pequena área e jogou para fora.

O segundo tempo iniciou da mesma maneira, mas o Coritiba não conseguiu segurar a pressão do Santos e levou o gol logo aos dois minutos. Jhojan Julio cobrou falta na área, a zaga afastou parcialmente e Velázquez chutou para a defesa de Alex Muralha. Na sobra, Marcos Leonardo aproveitou e mandou para a rede.

Logo após levar o gol, Morínigo mudou três vezes com as entradas de Warley, Régis e Léo Gamalho. Porém, o Santos manteve o ritmo intenso e marcou mais duas vezes em um período de três minutos. Aos 15, Lucas Pires cruzou a bola na segunda trave, Madson apareceu livre de marcação e fez de cabeça. E aos 17, Rodrigo Fernández arriscou chute forte da intermediária e mandou no canto esquerdo, sem chance para Alex Muralha.

Os dois gols na sequência abalaram o Coxa, que ainda colocou Pablo García e Adrian Martínez para tirar a desvantagem. Porém, o Alviverde praticamente não criou no segundo tempo e não evitou a eliminação na Copa do Brasil.

FICHA TÉCNICA - SANTOS 3X0 CORITIBA

Data, horário e local: quinta-feira (12), às 21h30, na Vila Belmiro, em Santos (SP).

Santos: João Paulo; Madson, Emiliano Velázquez, Eduardo Bauermann e Lucas Pires; Rodrigo Fernández (Felipe Jonathan), Vinicius Zanocelo (Camacho), Jhojan Julio (Sandry) e Ricardo Goulart (Angulo); Léo Baptistão (Rwan) e Marcos Leonardo. Técnico: Lucas Ochandorena.

Coritiba: Alex Muralha; Guillermo de los Santos (Adrián Martínez), Henrique, Luciano Castán e Guilherme Biro; Willian Farias, Andrey (Pablo García) e Robinho (Régis); Matheus Alexandre, Clayton (Léo Gamalho) e Alef Manga (Warley). Técnico: Gustavo Morínigo.

Gols: Marcos Leonardo (SAN), aos 2' do segundo tempo, Madson (SAN), aos 15' do segundo tempo, e Rodrigo Fernández (SAN), aos 17' do segundo tempo.

Cartões amarelos: Guilherme Biro, Guillermo de los Santos, Alex Muralha, Régis e Adrián Martínez (CFC); Rodrigo Fernández (SAN).

Público e renda: 13.692 pessoas | R$ 339.262,50.

Arbitragem: Sávio Pereira Sampaio (DF), auxiliado por Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA) e Fabrício Vilarinho da Silva (GO).