TJD-PR suspende Cascavel CR e absolve jogadores pela falsificação de testes

O Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) suspendeu o Cascavel CR por seis meses e o diretor de futebol Péricl..

Pedro Melo - 04 de maio de 2021, 23:52

(Gabriela Sávio/Cascavel CR)
(Gabriela Sávio/Cascavel CR)

O Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) suspendeu o Cascavel CR por seis meses e o diretor de futebol Péricles Almeida por 360 dias pela falsificação dos testes de Covid-19. O clube ainda foi multado em R$ 20 mil e o dirigente em R$ 10 mil, que precisam ser pagos em cinco dias.

Como o Campeonato Paranaense ainda está em andamento, os auditores do TJD-PR decidiram que as penas só serão cumpridas após o trânsito em julgado. Ou seja, apenas quando os condenados não puderem mais entrar com recurso para reverter a pena.

Em contrapartida, o lateral-direito Lapa, o meia Castro e o atacante Gabriel Oliveira foram absolvidos pelos auditores e estão autorizados a jogarem. Os dois primeiros seguem no Cascavel CR, mas o último deixou o clube após a revelação do caso. Os outros acusados também não receberam punições.

Defesa dos jogadores

Durante o julgamento, os três jogadores se defenderam e afirmaram que não tinham conhecimento sobre a necessidade de testar antes de cada partida. "A única coisa passada era que precisava ir de máscara, usar álcool de geral, mas não sabia que tinha que testar sempre. O tempo de cada exame realmente não sabia", afirmou Lapa.

Castro ainda lamentou o fato de não ter jogado contra o Athletico e afirmou que empresários iriam acompanhar a partida. "Fiquei muito triste por não ter jogado. Quando peguei meu telefone, chegou mensagens de familiares e amigos sobre o que tinha acontecido e as notícias com meus nomes", disse.

Já Gabriel Oliveira explicou o motivo para deixar o Cascavel CR. "Não estava mais me sentindo confortável. A situação do clube não era boa, as moças da cozinha foram embora e os torcedores já estavam me xingando. Não tenho nada a ver com isso, só vim para jogar futebol e batalho como qualquer menino. Liguei para meu empresário, que é advogado e achou melhor ir embora. Não estava com clima para trabalhar ali e é muito errado. Não tenho nada a ver com isso e usaram a minha imagem como cúmplice. Perdi dois tios pela Covid e não quero o mal do próximo", comentou.

Relembre o caso do Cascavel CR

A situação aconteceu na partida do Cascavel CR contra o Athletico, no dia 22