Torcedor morre após briga das torcidas organizadas de Palmeiras e Coritiba

Segundo a Polícia Civil, a morte foi causada por problemas de saúde devido a diabetes, e não agressões sofridas. Hospital conformou o óbito sem detalhes.

Redação - 13 de junho de 2022, 12:32

(Reprodução)
(Reprodução)

Um torcedor do Palmeiras, de 25 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (13) no Hospital Universitário do Cajuru, em Curitiba, após a briga generalizada no entorno do estádio Couto Pereira. O episódio foi registrado ontem (12) e paralisou o jogo entre Coritiba e Palmeiras, que acabou com a vitória de 2 a 0 dos paulistas.

De acordo com a Demafe (Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos), a morte do torcedor não foi causada por agressões sofridas durante a confusão

O jovem de 25 anos era diabético e passou mal por exagerar na bebida na viagem de São Paulo para Curitiba. Ainda segundo a Demafe, o homem teve um pico de glicemia durante a madrugada e não possuía nenhum tipo de ferimento. Ele foi socorrido com massagem cardíaca em uma das entradas do Couto Pereira e internado em estado grave.

"Informamos que o torcedor palmeirense veio a falecer. A Demafe foi até o hospital e foi confirmado pelos médicos que o torcedor morreu em decorrência da Diabetes. Foram feitos vários exames e não foram encontrados lesões corporais em decorrência de possíveis agressões", declarou a Demafe no Twitter

Em nota, o Hospital Cajuru confirmou o óbito e não divulgou mais detalhes a pedido dos familiares. 

BRIGA ENTRE TORCIDAS DE CORITIBA E PALMEIRAS 

Vídeos de moradores mostram que a torcida organizada do Palmeiras teve acesso à Rua Amâncio Moro e entrou em confronto com os torcedores do Coritiba.

A polícia fez do gás de pimenta para tentar controlar a situação, mas o gás foi sentido por parte da torcida dentro do estádio e também pelos jogadores.

Seguranças do Couto Pereira ajudaram na remoção dos torcedores, incluindo crianças, do setor atingido para a beira do gramado.

Diante do cenário, o árbitro Leandro Vuaden paralisou a partida por seis minutos e reiniciou após ter certeza da segurança de todos.

ORGANIZADA DO PALMEIRAS REPUDIA AÇÃO DA PM

Em nota divulgada nas redes sociais, a Mancha Verde criticou a ação da Polícia Militar do Paraná durante a escolta dos torcedores visitantes.

Segundo a organizada, houve pouco efetivo para revistar os sete ônibus e erros na condução até o setor visitante do Couto Pereira. Com isso, os veículos se tornaram alvos da torcida do Coritiba. 

"O Comandante da escolta parou para perguntar aonde era a entrada e explicaram que estávamos do lado errado. Esse mesmo comandante pediu para os ônibus voltarem de ré e, nesse momento, a torcida do time mandante apareceu e começaram a jogar pedra", diz trecho da nota.

Além disso, a Mancha Verde ainda diz que desceu do ônibus e agiu por proteção. Sobre a briga generalizada, a organiza ainda disse que a PM tentou controlar a situação "dando tiro de borracha sem uso de critério para controle de multidões e soltando bombas de gás lacrimogêneo em quantidade surreal".

PM NÃO SE MANIFESTA E CORITIBA LAMENTA EPISÓDIO

A Polícia Militar do Paraná ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

Em nota, o Coritiba lamenta e repudia o ocorrido nas imediações do Couto Pereira.

Além disso, afirma que os torcedores de uma das organizadas do Palmeiras tentaram invadir as dependências do estádio durante o segundo tempo e que "a Polícia Militar precisou se valer do uso de spray de pimenta que acabou, por consequência, sendo percebido dentro do estádio"
 
Por fim, o clube do Alto da Glória afirma ter garantido a segurança de todos dentro do estádio durante a vitória do Palmeiras sobre o Coritiba.