Urbs vai acionar Athletico, Coritiba e torcidas por danos ao transporte público

Francielly Azevedo


A Urbanização de Curitiba (Urbs) decidiu acionar na Justiça os clubes Athletico Paranaense e o Coritiba, além das torcidas organizadas, por causa dos prejuízos causados por torcedores aos ônibus da capital durante o clássico Atletiba na última quarta-feira (30).

A partida foi disputada às 21h30, na Arena da Baixada, com torcida única. Mas, segundo a Urbs, brigas e vandalismo de torcedores de ambos os times deixaram um rastro de depredação pela cidade. Os prejuízos foram registrados por câmeras de segurança, conforme destacou o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, em entrevista à Radio CBN Curitiba.

“E o nosso CCO captou muitas imagens, seja de torcidas brigando, seja de alguns que estão ali e quando passam depredam patrimônio, chutando caixas eletrônicos, quebram janelas de lojas. As pessoas quando estão em um movimento desses elas se comportam de maneira animal. Então nós temos as nossas câmeras, que tem a capacidade de aproximação em que é possível ver a cor dos olhos da pessoas. Temos essas imagens e vamos levar até a delegacia”, disse.

De acordo com a Polícia Militar do Paraná (PM-PR), com pouco mais de 9.600 pessoas assistindo a partida em uma torcida única, os focos de conflitos entre as torcidas aconteceram fora do estádio em diferentes pontos da cidade.

Houve reforço de policiamento no entorno do estádio e em pontos estratégicos, mas a depredação não foi evitada.

Segundo a PM, a primeira ocorrência foi por volta das 20h25 no Bairro Alto, onde torcedores teriam provocado tumulto em um ônibus da linha Interbairros 2.

No Capão da Imbúia torcedores do Coritiba cercaram um ônibus com torcedores do Atlhetico e começaram a depredar o veículo. As equipes da GM foram até o local, mas ninguém foi detido. No Terminal do Cabral também foi registrado tumulto, mas após a chegada das equipes da ROTAM nada foi constatado.

No terminal do Pinheirinho, a PM recebeu a denúncia de que vários torcedores do Athletico estavam fazendo algazarra. Quando a equipe policial chegou ao local eles já haviam se dispersado.

Diante das várias situações, a Urbs procurou a Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe). “Vamos fazer junto a Demafe o boletim de ocorrência, levamos para eles todas essas imagens e o prejuízo dessas depredações. Paralelamente a isso vamos acionar os clubes e torcidas organizadas para que respondam por isso. Não é possível o poder público permanecer vendo essas pessoas destruindo patrimônio público e não sendo penalizadas”, afirmou.

De acordo com o presidente da Urbs, os prejuízos estão sendo contabilizados. “Nós temos que verificar os ônibus que foram quebrados, câmeras, janelas e estações tubo. Enfim, é uma série de equipamentos que foram depredados”, destacou.

Maia Neto conta que em dias de jogos o poder público precisa arcar com prejuízos que deveriam ser de competência dos clubes. “Nós em dias de jogos temos que destacar muitos mais fiscais, a Setran também e a Guarda Municipal. Então o poder público trabalha dobrado para entidades privadas, os clubes são entidades privadas e têm que arcar com os custos do que eles promovem nas cidades, seja com depredação ou deslocamento de torcida”, aponta.

Três torcedores foram detidos com drogas, eles estavam dentro do estádio. Ambos foram levados ao Juizado Especial Criminal, na Demafe, onde foram lavrados Termos Circunstanciados por se tratarem de crimes de menor potencial ofensivo.

A PM informou que as escoltas dos times ocorreram sem transtornos.

Previous ArticleNext Article
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.
[post_explorer post_id="590783" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]