Gastronomia
Compartilhar

Restaurantes podem servir pratos com caranguejo a partir desta quinta-feira

Começa nesta quinta-feira (1º) a temporada de captura de caranguejos no litoral do Paraná. Até o dia 14 de março de 2017..

Guilherme Grandi - 30 de novembro de 2016, 17:00

Começa nesta quinta-feira (1º) a temporada de captura de caranguejos no litoral do Paraná. Até o dia 14 de março de 2017, o uso do crustáceo na alimentação fica permitido com algumas restrições técnicas. Só podem ser capturados os machos da espécie caranguejo-uçá, que tenham no mínimo sete centímetros de carapaça. Segundo Luiz Tarcísio Mossato Pinto, presidente do Instituto Ambiental do Paraná, "a captura é permitida desde que obedecendo aos critérios e às normas de controle. A restrição visa proteger a espécie nativa das atividades predatórias como também proteger o ambiente em que ele vive, o mangue".

No Paraná, a captura com restrições do caranguejo-uçá durante esse período foi instituída em 2002, pela Portaria 180 do IAP. Quem for flagrado capturando, transportando ou comercializando os crustáceos em desacordo com as restrições determinadas pela portaria poderá ser enquadrado na lei de crimes ambientais.

Um dos restaurantes que servem o caranguejo em Curitiba é a Petiscaria do Victor, em Santa Felicidade. O local abre, também nesta quinta, a temporada de pratos especiais preparados com o crustáceo. Segundo Marcelo Belotti, um dos sócios do local, "na temporada passada, recebemos mais de 1.700 pessoas na Caranguejada do Victor e queremos superar essa meta em, pelo menos, 25%. Por isso, já programamos o recebimento diário para termos sempre caranguejo selecionado e fresco para os nossos clientes".

A Caranguejada do Victor é servida de terça a sábado, das 19h às 23horas, a R$ 67 por pessoa. O consumo é livre tanto dos caranguejos, que são servidos à mesa, quanto dos treze diferentes tipos de acompanhamentos disponíveis do buffet: caldinho de feijão, caponata de berinjela, salada de batatinha, salada de cebola, salada de folhas verdes com tomate, salada de pepino japonês, vinagrete tradicional, vinagrete com coentro, couscous marroquino, grissinis, molho de alho, molho tártaro e molho rosé.

Já no bairro do Água Verde, a Ópera de Bambu é um espaço gastronômico que abre apenas nesta época do ano. O ambiente parece aqueles restaurantes de praia, bem convidativo. E a caranguejada também é tradicional. “Nós abrimos apenas nesta época do ano, e além do feijão temperado e do vinagrete, temos ainda um buffet de saladas e outros acompanhamentos", de acordo com a Rosemari Tosin. Cada cliente tem à disposição um buffet com antepastos, feijão, milho-verde, caldo de siri e saladas com molhos quentes e frios.

Na Ópera de Bambu, você pode comer quantos caranguejos quiser. O preço ainda não foi divulgado. E uma dica é acompanhar o ritual das marteladas com uma boa caipirinha ou uma cerveja gourmet.

Multa

A multa para quem desrespeitar as normas varia de R$ 700 a R$ 100 mil por pescador, e mais R$ 20 para cada quilo de caranguejo capturado, além de responder a ação judicial. Ao constatar a presença de caranguejos de tamanho inadequado ou capturados de forma irregular, todos os materiais utilizados serão apreendidos e os animais saudáveis serão devolvidos ao meio ambiente.

O presidente do IAP ressalta que no período de permissão da captura dos crustáceos fica proibida a entrada, o transporte e a comercialização do caranguejo processado (inteiro ou em partes) no Paraná sem a comprovação de inspeção federal, contendo selo e comprovação de origem do produto. “O objetivo é proteger a população de uma possível disseminação de doenças e preservar o meio ambiente, evitando a inserção de espécies exóticas no meio ambiente natural”, afirma Luiz Tarcísio.

Já a partir de 15 de março e até 30 de novembro, do próximo ano volta a ser totalmente proibida a captura, o transporte e a comercialização dos caranguejos de qualquer tamanho. A proibição ocorre porque esse é o período de defeso do animal, ou seja, a desova e crescimento dos novos crustáceos, e da necessidade de preservar e proteger o seu habitat.