A música de “Os Crimes de Grindewald”

Pedro Ribeiro


 

Por Daniel Derevecki

Um dos filmes mais esperados do ano pelos amantes do universo fantástico e mágico criado nos livros de J. K. Rowling tem atraído expectadores às salas de cinema mundo afora. Animais Fantásticos e Onde Habitam – Os Crimes de Grindwald, sequência do filme de 2016, estreou por aqui no feriado de Proclamação da República e mais uma vez a trilha sonora ficou a cargo do americano James Newton Howard, que já havia sido o responsável pela produção musical do filme anterior. O compositor, de 67 anos, nascido em Los Angeles, é um dos grandes nomes da música do atual cinema norte-americano e foi o responsável pelas trilhas de outros grandes sucessos de bilheteria, como as de Uma Linda Mulher (1990), King Kong (2005) e Jogos Vorazes (2012).
Neste novo trabalho em Animais Fantásticos, Howard produziu uma obra musical de proporções épicas, como se espera em uma produção de Hollywood que tenha essa envergadura. Apesar de não haver necessariamente um grande tema para ficar na memória e fazer o ouvinte sair da sala assobiando depois do filme, a trilha não deixa a desejar neste quesito. Há, sim, um tema principal que é reapresentado com ótimas releituras em diversos momentos, contribuindo de forma sutil e eficiente ao desenvolvimento da narrativa.
Fanservice
Agora, uma coisa precisa ser dita: há filmes cujo tema musical praticamente define a identidade da obra. Os fãs de Harry Potter, por exemplo, não têm a menor dificuldade em reconhecer o tema musical original do filme. Duvida? Então faça o seguinte teste: Vá a uma feira geek qualquer, encontre um cosplay do bruxinho e peça para que ele cantarole o tema do filme. Rapidamente surgirá aos seus olhos um coral de harries, hermiones e ginas, assobiando ou cantarolando todos os intervalos do tema no seu devido lugar e com as divisões rítmicas corretas.

Pois bem, isso vem do alemão Leitmotive, que significa “motivo condutor”. Tal conceito foi introduzido por Wagner em suas óperas e consistia na repetição de um tema musical que indicava a presença de um determinado personagem. Esse recurso foi usado por Howard de forma muito clara em Os Crimes de Grindewald. Quando pela primeira vez as torres da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts aparecem, a orquestra toca o tema original de Harry Potter, com a melodia principal destacada pelas cordas. É a deixa para o fã ajeitar-se na cadeira, porque na sequência haverá cenas que lhe remeterão aos livros e filmes originais, como as aulas de defesa contra as artes das trevas, os alunos circulando pelos corredores vestindo o uniforme tradicional da escola com os brasões das casas no lado esquerdo do peito e, de quebra, alguns pilotos de vassouras voadoras rumo ao campo de Quadribol. Enfim, para os que se familiarizam com essa linguagem, é um ótimo fanservice.
Se você quiser ouvir a trilha sonora completa de Os Crimes de Grindwald é só acessar o Spotify, o link está no final do texto. Uma dica: vale muito ouvir o tema do mago Dumbledore para piano solo.
No mais, é só estourar a pipoca, aumentar o som e curtir.

Daniel Derevecki é bacharel em Música Popular pela Universidade Estadual do Paraná.
Instagram: @danielderevecki
Facebook: @danieldereveckimusic
Twitter: @danielderevecki

Previous ArticleNext Article