‘A Teacher’, do Star+, mostra relação predatória entre professora e seu jovem aluno

Leonardo Sanchez - Folhapress

Série A Teacher

Quando estreou lá fora, em novembro do ano passado, “A Teacher” causou burburinho. Era de se esperar que uma série que toca em temas tão delicados gerasse desconforto em parte do público. Mas talvez tenha sido o perfil de sua improvável vilã, e não seus atos, que tenha recebido mais atenção.

Na trama, acompanhamos uma professora do ensino médio, em seus 30 e poucos anos, que se envolve amorosa e sexualmente com um de seus alunos, de apenas 17. Apesar de a idade de consentimento no Texas, onde a história se passa, ser de 17 anos, o estado proíbe que professores e alunos se envolvam –e, além da questão legal, há ainda o perfil predatório e a dinâmica de poder que se desenvolvem ali.

Claire, personagem de Kate Mara, é jovem, bonita, agradável e até mesmo frágil. Ela vive um casamento infeliz, em que não parece ser a prioridade do marido. É difícil pensar nela como uma predadora sexual, principalmente à luz do MeToo, que revelou uma extensa lista de criminosos sexuais que, em sua maioria, eram homens mais velhos e endinheirados, como o produtor Harvey Weinstein.

“Ela é definitivamente uma predadora, embora as pessoas achem difícil ver mulheres jovens dessa maneira”, diz Mara por videoconferência. “Nós tentamos retratá-la como uma pessoa com quem é fácil se relacionar, afinal, ela é um ser humano, não é simplesmente boa ou má. Mas o interessante é que o público torce para que ela perceba o que está prestes a fazer e faça a escolha certa.”

Não é bem o que acontece. Sozinha em mais uma noite em que seu marido está viajando a trabalho, ela sai para jantar e encontra alguns de seus alunos numa mesa próxima. São eles quem chegam perto de Claire, numa demonstração de popularidade e masculinidade um tanto tosca.

Depois de um tempo, eles deixam Eric, personagem de Nick Robinson, para trás, e ele e a professora começam a conversar. O papo evolui para um arranjo de aulas de reforço particulares, depois para conselhos sobre a faculdade, um beijo e, enfim, para uma intensa cena de sexo dentro do carro.

“Antes de a série ser lançada nós nos preocupamos muito com a maneira de divulgá-la, porque não queríamos que as pessoas tivessem a impressão errada”, diz Mara. “Se você só assiste aos primeiros episódios, pode até achar que a relação dos dois é romantizada, mas quando você vê tudo, percebe qual era a nossa verdadeira intenção.”

De fato, todo episódio de “A Teacher” começa com um aviso sobre relações abusivas e orientações sobre o que fazer caso esteja num relacionamento semelhante ou conheça alguém que esteja.
Curiosamente, essa não é a primeira vez que Mara se envolve numa complexa trama sobre consentimento e predadores sexuais. Ela testemunhou uma outra situação do tipo, mas dessa vez fora da ficção, há cerca de quatro anos, durante sua participação em “House of Cards”.

Ali, o escândalo não fazia parte do roteiro, mas do passado de seu colega de cena, Kevin Spacey. Acusado de ter abusado sexualmente de Anthony Rapp quando este tinha apenas 14 anos, Spacey foi demitido da série e caiu no ostracismo. Foi um dos primeiros figurões derrubados do panteão hollywoodiano por denúncias de abuso sexual.

“Eu acho que é importante falarmos disso, darmos voz às vítimas e expandirmos essa conversa para contemplar homens que foram assediados. É uma conversa rara na ficção, então em ‘A Teacher’ sempre foi muito importante tratarmos dessa questão de consentimento e dinâmica de poder.”

Um dos reflexos do MeToo foi a onipresença de coordenadores de intimidade nos sets de filmagem de Hollywood. Eles são profissionais que garantem que não haja abuso ou desrespeito na hora de gravar cenas de sexo, como as que Mara protagonziou com Nick Robinson. “É importante se sentir seguro e confortável”, diz ela.

“A Teacher” faz parte de uma enorme leva de produções do Hulu que serão finalmente desovadas em terras brasileiras já nos primeiros dias de vida do Star+, novo streaming “adulto” da Disney. Ele é o equivalente internacional do Hulu e vai abrigar, em sua estreia, outras séries que chamaram a atenção lá fora, mas ainda eram inéditas no país, como “Com Amor, Victor” e “Genius: Aretha”.
*

A TEACHER

Onde: Disponível no Star+
Elenco: Kate Mara, Nick Robinson e Ashley Zukerman
Produção: EUA, 2020
Criação: Hannah Fidell

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="786784" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]