Artistas de selos independentes fazem shows na rede de teatros municipais de São Paulo

Folhapress

shows de artistas independentes

A partir desta quinta-feira (1°) os teatros Arthur Azevedo, Alfredo Mesquita, Cacilda Becker, Paulo Eiró e João Caetano – todos em São Paulo – oferecem o espaço de seus consagrados palcos para que artistas vinculados a selos independentes mostrem seus trabalhos.

São 13 atrações musicais, incluindo bandas, cantores, cantoras, compositores e instrumentistas da cena independente, que irão se apresentar, às 21h, das quintas-feiras de julho. Por essa razão o projeto, que conta com todas as transmissões online e gratuitas, tem como nome Amplificaquintas.

Conheça, a seguir, cada uma das atrações escaladas para amplificarem suas vozes por meio do projeto realizado pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Do selo Risco as atrações são: Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo e Chico Bernardes. Paulistana, a banda Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo interpretará seu álbum de estreia, produzido pela carioca Ana Frango Elétrico. O disco homônimo reúne nove faixas autorais que passam entre harmonias e ruídos da guitarra elétrica, combinados ao som do baixo e bateria, confrontando e se conciliando sempre com o furor e a fragilidade da voz.

Chico Bernardes mostra canções do disco que leva seu nome, em um espetáculo intimista, com clássicos do folk norte-americano de Joni Mitchell, Bob Dylan, Fleet Foxes e Grizzly Bear, além de algumas referências da música brasileira.

Do selo Fatiado Discos as atrações são: Sistah Chilli, Rasec e Di Melo.
Sistah Chilli e Rasec apresentam músicas que permeiam o mundo do rap e do reggae contidas nos trabalhos “Psicopretas” e “Afronta Sonora”. O compositor, cantor e violonista Di Melo apresenta músicas autorais em versões acústicas com voz e violão.

Do selo HBB (Hearts Bleed Blue) as atrações são: Acidental, Institution, e Sequoia. O Acidental apresenta o álbum “Objetos arremessados pela janela”, com pegada no indie rock com mistura de sonoridades de música popular brasileira, e influências que vão de Flaming Lips a Guilherme Arantes. Já a banda Institution mostra seu segundo álbum de estúdio, “Ruptura do Visível” (2020), no qual o hardcore é a palavra de ordem. O trio de rock instrumental Sequoia também promete muito som.

Do selo Bala Clava Records as atrações são: Ale Sater e Gab Ferreira. Ale Sater apresenta as canções do EP “Fantasmas” (2021), seu trabalho solo. A cantora e compositora Gab Ferreira apresenta canções de sua mixtape de estreia “Lemon Squeeze” (2018), além de faixas inéditas que estarão em seu primeiro lançamento previsto para o segundo semestre de 2021.

Do selo Deck 9 as atrações são: Jup do Bairro, Indy Naíse, Harlley e Alt Niss. Jup do Bairro é cantora, compositora, apresentadora brasileira e ex-companheira musical de Linn da Quebrada. Indy Naíse é cantora e compositora, nascida em Juazeiro, na Bahia, e radicada em São Paulo. Começou a carreira em junho de 2014 e em dezembro de 2018 lançou seu primeiro disco, “É Questão de Cor”. Influenciada principalmente pelo R&B e pop music, Harlley é uma voz LGBTQI+ da periferia. Além da carreira solo, Harlley faz parte do Quebrada Queer.

Nascida e criada na zona sul de São Paulo, Alt Niss se autorreconhece como uma cantora de R&B. Começou a cantar e compor quando ainda era criança. E, apesar de vir de uma família de sambistas, foi o R&B que falou mais alto. Alt Niss se apresenta com o dj Ykymani.

Carlos Bozzo Junior
São Paulo, SP (Folhapress)

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="773080" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]